Após a renúncia de Dória para concorrer ao governo estadual, Bruno Covas assume o cargo de prefeito do coração econômico do Brasil

Texto: Henrique Santos | Ainda no mês passado, João Dória (PSDB) venceu as prévias do partido para validar a sua indicação à disputa do governo do Estado. Uma foto sua estampava as manchetes dos jornais depois daquele domingo, e nela estava um “jovem político” repetindo um sinal que se tornou um dos slogans dos tucanos paulistas: “Acelera! ”. Era Bruno Covas, que ainda não estava à frente da chefia do poder executivo municipal, mas, que, posteriormente, assumiu após a renúncia definitiva de Dória.

Em menos de 10 dias, o Datafolha foi às ruas para interrogar a população sobre “quem era o novo prefeito? ”. O resultado obtido exemplifica o quanto Covas mantém uma discreta carreira política, afinal apenas três em cada dez moradores de São Paulo sabiam dizer quem é o atual prefeito paulista.

A Revista Acontece traz nesta matéria um resumo sobre o perfil do homem que, atualmente, ocupa a cadeira de administrador público da quinta maior cidade do mundo. Respondendo, quem é Bruno Covas e quais as suas experiências políticas?

Carreira

Formado em direito pela USP (Universidade de São Paulo) e economia pela PUC (Pontifícia Universidade Católica de São Paulo), Bruno Covas se filiou a sigla do PSDB em 1998. Inicial sua participação ativa como presidente estadual e nacional da juventude tucana.

A primeira vez, que decidiu avançar na carreira política e apostar nas eleições, foi em 2004. Quando se candidatou a vice-prefeito de Santos, cidade em que morou, na chapa do também tucano Raul Christiano. Infelizmente, a dupla amargou o quarto lugar.

O sobrenome de peso atrelado a um novo modo de fazer política diante do atual cenário de desgaste dos representantes públicos, pesaram para as suas conquistas de deputado estadual em 2006 e deputado federal em 2014 – cargo que renunciou em 2016 para assumir a vice-prefeitura da capital paulista -. Entre 2011 e 2014, Bruno foi secretário do Meio Ambiente do Estado de São Paulo, na gestão do governador Geraldo Alckmin (PSDB).

Em 2016, Bruno foi eleito junto com Doria ainda no primeiro turno. Em uma entrevista à revista Veja, o vice foi questionado se estava ansioso para assumir o comando da maior cidade do país a partir de abril de 2017. Ele respondeu: “É claro! Já viu criança quando vai para a Disney pela primeira vez? Estou igual”.

O que muda de Bruno para Dória?

Obviamente, que os programas criados por Dória serão todos mantidos, como o Bairro Lindo, Asfalto Novo e etc. Porém, o recém empossado parece mais sugestivo a dialogar com políticos de lados opostos, como, por exemplo, suas relações com Márcio França (PSB), que é um dos adversários a ser batido por Dória nas campanhas deste ano.

O próprio prefeito atual já deixou claro que as questões eleitorais ficarão de fora entre o governo e a prefeitura. Outra bandeira levantada é a questão de combater a desigualdade, que segundo ele “incomoda demais, ver gente dormindo nas ruas” e que “na Praça da Sé e o Pateo do Collegio ainda tem muita gente largada nas calçadas”.

Covas, tem vistoriado mais de perto as prefeituras regionais e mantém a agenda de suas participações nas atividades de zeladoria programadas em todas as zonas de São Paulo. No sábado, 7, contribuiu nas ações da prefeitura regional de Cidade Tiradentes, localizada no extremo leste. Servidores e munícipes mostram-se contentes com a sua postura.

“Esta é minha primeira visita como prefeito à Cidade Tiradentes, bairro que foi iniciado na gestão de meu avô, Mário Covas, no começo da década de 80. Vamos realizar aqui e em toda cidade serviços de manutenção e zeladoria para cuidar não apenas de São Paulo, mas também das pessoas que aqui moram”, afirmou Bruno Covas.

Apoio

Bruno Covas também separa os tempos livre para apoiar João Dória e Geraldo Alckmin. Quando questionado, deixou claro que vai subir nos palanques e respondeu: “ Eu sou um homem de partido”.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here