Levantamento realizado pela GloboNews via Lei de Acesso à Informação contabilizou um aumento exponencial no número de agentes civis e militares que respondem por atos criminosos

Texto: Henrique Santos | Segundo os dados obtidos pela GloboNews via Lei de Acesso à Informação, o número de policias presos aumentou 26% no estado de São Paulo. Entre os meses de janeiro a abril, 122 agentes foram detidos, contra 97 no mesmo período do ano passado. Ainda segundo o levantamento, a maior parte destes agentes está respondendo por crimes graves como homicídio (25 prisões), organização criminosa (22) e apropriação de recursos públicos (14).

Ex-policiais são presos por roubo de R$ 33 milhões de empresário / Fonte: Jornal O Globo

“É grave o aumento das prisões, até por envolver crimes graves, como homicídio e organização criminosa. Por outro lado, esse dado também mostra que os órgãos corregedores das polícias estão atuando, o que é um aspecto positivo dessa estatística”, defendeu Benedito Mariano, ouvidor da Polícia do Estado de São Paulo.

De acordo com Mariano, o policial que comete crime é um criminoso ainda mais perigoso, por conhecer os dois lados: o da polícia e o da criminalidade. “Por isso, é tão importante que os órgãos corregedores estejam atentos a desvios de conduta de policiais. ”

A polícia que mais mata e morre no mundo

A fama da polícia brasileira também chamou a atenção em outros países. Em 2015, um relatório da Anistia Internacional constatou que a força policial brasileira é a que mais mata no mundo. Naquele ano, cerca de quase 4 mil pessoas foram mortas em intervenções policias.

Por outro lado, os problemas da segurança pública se estendem para uma narrativa de guerra. Uma vez que, na outra ponta, os polícias do Brasil são os que mais morreram em serviço.

Falta de equipamentos adequados, baixa remuneração ou falta de pagamento pelos seus serviços, estão entre as condições que muitos agentes se submetem nesta função.

O estado do Rio de Janeiro foi recentemente alvo dos holofotes para traduzir o sentimento de guerra civil. Por ordem do Governo Federal, cerca de 8.500 homens das Forças Armadas foram designados para restabelecer a ordem. Enquanto isso, os civis se veem no meio de um fogo cruzado que é mortal tanto na condição de vítima quanto de algoz.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here