Jogos virtuais se tornaram uma das novas tendências lucrativa no Brasil, com cerca de 35 milhões de compradores assíduos.

Texto: Henrique Santos | Se uns odeiam, outros amam. Já faz tempo que os videogames dividem opiniões sobre os malefícios ou benefícios, mas muita gente não sabe que o mercado dos games também oferece ótimas oportunidades para quem busca trabalho. Considerado um dos nichos de entretenimento mais lucrativos, jogar videogame deixou de ser considerado um passa-tempo. Atualmente, as áreas vão desde o desenvolvimento do jogo ao ‘cyber atleta’ que participa de competições internacionais.

O cenário econômico brasileiro passa por um momento delicado e, claro, isso têm impactado em quedas consecutivas nas oportunidades de conseguir um emprego. Porém,  os jogos virtuais apresentam uma tendência oposta ao resto do mercado. Sejam online, aplicativos ou nos consoles,  a perspectiva a médio e longo prazo são lucrativas.

O Brasil está em 4º colocado entre os países com o maior número de jogadores, alcançando 35 milhões de pessoas. Segundo o estudo divulgado pela empresa britânica PwC (PricewaterhouseCoopers), o setor dos games movimentou cerca de US$ 670 milhões no ano passado e a estimativa é de US$ 43 bilhões até 2021.

Em oito anos, o número de empresas desenvolvedoras saltou para 600% a mais em nosso país.  Inclusive, muita gente já imaginava um terreno produtivo, e conseguiu sair na frente para faturar com a tendência. Hoje, eles criam canais no youtube, blogs de conteúdos voltados para o segmento dos games, se unem em projetos de criação e muito mais.

“Hoje consigo ver como esse nicho está crescendo, como o mercado está se adaptando e contratando quem realmente tem habilidade, interesse e capacidade. É um mercado novo, mas está com um potencial enorme, tanto em desenvolvimento, como em E-sports. Eu fico muito orgulhoso com o potencial que o país está desenvolvendo nessa área”, conta Gustavo Sales Santos, programador de games e da Uol.

Leia também: Judô é usado como ferramenta de ensino em Ermelino Matarazzo

Desde que começou a se divertir com os videogames aos sete anos, Sales conta que se  enxergava trabalhando nesta área. Há duas décadas, ocorreu o que podemos considerar como a popularização dessas tecnologias que, anteriormente, eram artigos de luxo. Isto porque eram poucas as empresas e marcas conhecidas aqui. Não chegava nem perto das 300 que estão consolidadas por diversos estados.

Entretanto, não basta achar que gostar de Mario Bros, Zelda ou Metroid, te dará o conhecimento necessário. Para fazer parte deste mundo, a profissionalização conta muito na hora de enfrentar o filtro rigoroso das companhias.

Gustavo Baccan, Gustavo Sales e Daniel Ferreira – Grupo Sigma da FIAP, um dos cinco finalistas do Brasil Game Jam na BGS.

“Imagino que será igual ao mercado de programação web hoje: terá muito espaço, salários altos, o que irá gerar profissionais selecionados a dedo. Muitos acham que criar jogo é algo simples, mas leva muito tempo, dedicação e horas e mais horas sentado, criando e programando”, explica Sales.

Lidar com a falta de mão de obra qualificada tem sido uma dificuldade. Acredite ou não, infelizmente são poucas as instituições que investem na capacitação interna de programadores para se tornarem especialistas na criação de games no Brasil.

“As escolas hoje deviam investir muito mais em programação. Todos deveriam saber o básico em lógica e programação, porque isso ajuda muito no desenvolvimento de uma pessoa. A lógica força a mente do aluno. Eu espero que esse cenário mude com o passar dos anos”, conclui.

Com adeptos pelo mundo inteiro, o videogame, antes relacionado ao universo infantil, transita entre os adultos cada vez mais evoluídos, tanto no sentido tecnológico quanto de conteúdo. Seja como for, videogames não são somente brincadeira nesta geração.

Veja os games desenvolvidos por brasileiros e que estão fazendo o maior sucesso:

Gryphon Knight Epic O jogo foi desenvolvido pelo Cyber Rhino Studios e financiado através do Kickstarter. Gryphon Knight Epic conta a história do cavaleiro Sir Oliver e seu grifo Aquila, que precisam voltar à ativa. Dessa vez, eles precisam lutar contra antigos amigos que se rebelaram.

Por que jogar? Gryphon Knight Epic mistura elementos clássicos de shoot’em up, exploração e duelo com chefes. Sir Oliver e Aquila precisam passar pelos oito níveis para descobrir o que aconteceu com seus amigos. Ao derrotar os chefões Sir Oliver pode ficar com as suas armas. Ele também pode encontrar equipamentos nos cenários. O jogo também possui um nível de dificuldade desafiador. Disponível na Steam, Xbox One e PS4.

Chroma Squad é um jogo de RPG tático desenvolvido pelo Behold Studios e financiado através do Kickstarter. O jogo conta a história de cinco dublês que não aguentam mais o seu diretor e decidem abrir o seu próprio estúdio para filmar um seriado de Super Sentais.

Por que jogar? O game é uma homenagem ao gênero Tokusatsu e, principalmente, aos Power Rangers. Chroma Squad possui bastante bom humor, referências à cultura pop e uma excelente trilha sonora. Os personagens são customizáveis, dá para fazer upgrades, criar equipamentos e lutar com diferentes tipos de inimigos e robôs gigantes. O estúdio também é customizável: dá para contratar atores, comprar equipamentos e melhorias. O jogo feito com pixel art, possui batalhas táticas, combinação de ataques e diferentes finais. Disponível na Steam

Trajes Fatais foi mais um game que conseguiu ser financiado através do Catarse. O jogo de luta desenhado à mão no estilo pixel art e está sendo desenvolvido pelo Onanim Studio.game é inspirado nos clássicos de arcade como The King of Fighters, Street Fighter e Guilty Gear.

Os convidados de uma festa à fantasia recebem poderes especiais de uma misteriosa divindade cósmica conforme a roupa que estão usando. Agora eles precisarão lutar em um torneio para conseguirem se libertar da prisão mágica. O game já foi aprovado na Steam Greenlight e ganhou o prêmio de Melhor Jogo Brasileiro no Brasil Game Show 2016.

Data de lançamento: Primeiro semestre de 2018
Plataformas: PC.

Heavy Metal Machines: é desenvolvido pela Hoplon e traz a proposta de misturar jogos de carro com MOBA. O jogo tem um cenário pós-apocalíptico e os carros lutam em arenas de gladiadores. O objetivo é detonar o oponente, você pode jogar como suporte, interceptador e transportador (levar a bomba até o lado inimigo). Suporta até 8 jogadores, divididos em dois times.

Data de lançamento: O jogo está em beta aberto no Steam e o lançamento dele será no segundo semestre de 2017.
Plataforma: PC (Steam)

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here