“Eu atraso todos os dias no trabalho. Faço pequenas coisas aleatórias que demoram de 5 a 10 minutos. Na internet. No banheiro. Na cozinha. Deus sabe o que acontece, mas todo dia eu chego no trabalho 9h20. E isso ocorre há anos”

Esse post anônimo do fórum de discussões Reddit resume um problema enfrentado por muita gente na batalha diária entre trabalho e atividades paralelas, como discussões no Facebook, jogos on-line, um pulo naquele encontro de amigos e devoradores de tempo em geral: a procrastinação.
A palavra quer dizer adiamento, delonga. Para quem sofre com o problema cotidianamente, em geral consiste em trocar a execução de uma tarefa importante, mas pouco prazerosa, por pequenas distrações. O hábito de perder o horário para o trabalho, apesar de ter consciência sobre o sofrimento que essa atitude pode gerar, mostra como pode ser difícil deixar de procrastinar.
A prática pode servir para adiar atividades mais prosaicas, como arrumar o quarto ou responder a um e-mail. Mas também outras mais relevantes, como terminar um relacionamento, escrever a dissertação de mestrado ou dar os passos para mudar de carreira.
Além do estresse cotidiano de chegar atrasado, a procrastinação pode tornar irrealizáveis atividades complexas que exigem constância e persistência, como aprender a tocar um instrumento, ou finalizar um livro.
Os resultados são: frustração, baixa autoestima e uma gaveta abarrotada de projetos não realizados.

De onde vem a procrastinação?

De acordo com o professor Hélio Deliberador, do departamento de psicologia social da PUC (Pontifícia Universidade Católica) de São Paulo, a procrastinação vem da dificuldade de elencar e agir de forma prática de acordo com prioridades. Essa dificuldade é agravada pela oferta de distrações do mundo digital.
“Esse adiamento constante é um mal de nosso tempo, onde as pessoas têm várias maneiras de se perder. Elas deixam de fazer um planejamento adequado de suas vidas e se perdem em atividades secundárias”

Hélio Deliberador
Professor do departamento de psicologia social da Pontifícia Universidade Católica

Medo de falhar
Procrastinadores perfeccionistas

     Uma causa de fundo constantemente associada à procrastinação é o medo de falhar. Segundo a psicóloga Sally-Anne McCormack, esse é o motivo pelo qual perfeccionistas são com frequência procrastinadores.
“Perfeccionistas são grandes procrastinadores porque querem que tudo seja perfeito. Vão evitar realizar uma tarefa para a qual tiveram duas semanas até a noite anterior ao fim do prazo, para poderem dizer: ‘claro que eu não consegui um resultado 100%. Eu não tive tempo o suficiente para fazê-lo’”

Sally-Anne McCormack
Psicóloga

Procrastinador indeciso

Outro perfil comum de procrastinador é o procrastinador indeciso: aquele que adia, de propósito, a tomada de uma decisão. De acordo com Joseph D. Ferrari, psicólogo da universidade de DePaul, em Chicago, e autor de livros sobre a procrastinação, a indecisão é outra forma de justificar um fracasso.
“Claro que compilar fontes de informação é útil e produtivo, mas algumas pessoas parecem ser incapazes de tomar decisões – esses são os procrastinadores mais sérios. Eles deixam que outros decidam por eles, para que não haja culpa a ser atribuída a eles”

Joseph Ferrari
Professor de psicologia adaptativa da DePaul University, em Chicago e autor de livros sobre a procrastinação

Culpa e estresse

Pequenos prazeres, como assistir a uma série na Netflix ou conversar com amigos no Facebook, evitam momentaneamente o estresse. Mas de forma parcial.
Em geral, o procrastinador sabe que está apenas  desviando do trabalho da faculdade, da noite de estudos ou do processo de se arrumar para o trabalho e se sente culpado por isso.
Mesmo na hora em que são vividos, esses prazeres são maculados pelo remorso.
Para quem se atrasa constantemente com a procrastinação, o sentimento é de que o tempo não basta. De que a vida é uma correria constante.
No longo prazo, o sofrimento é maior, seja por entender que o tempo foi desperdiçado em uma tarefa improdutiva e pouco prazerosa, seja pelo estresse de não entregar o trabalho exigido.
“Muitos não veem a procrastinação como um problema sério, mas como uma tendência comum a ser preguiçoso ou ocioso. Mas é muito, muito mais. Para os procrastinadores crônicos, não é uma questão de administração de tempo – é um estilo desajustado de vida”

Joseph Ferrari
Professor de psicologia adaptativa da DePaul University, em Chicago e autor de livros sobre a procrastinação

Como lidar com a procrastinação

Para mudar seus hábitos, o procrastinador precisa treinar a própria mente a encarar as coisas de uma outra forma, um processo que pode demorar meses.
“Você literalmente tem que treinar a sua mente a lidar com as coisas de uma forma diferente do seu padrão – então você tem que estar preparado para realizar esse investimento”
Guy Wich
Psicólogo e autor de ‘Primeiros-socorros emocionais’

Buscar um psicólogo ou um psiquiatra são recomendáveis para os casos de procrastinadores crônicos, afirma Deliberador, da PUC. SegundoSally Anne McCormack, quem deseja parar de procrastinar deve:

Para deixar de adiar
EVITAR DISTRAÇÕES

Uma boa forma de evitar procrastinação é evitar distrações. Se for estudar, limpe sua mesa e se comprometa a não fazer paradas para um lanche, por exemplo. Se for difícil criar um ambiente para a concentração em casa, vá para outro local, como uma biblioteca pública, por exemplo

DIVIDIR SEUS PROBLEMAS

Um dos motivos pelos quais procrastinadores adiam vem do fato de imporem a si mesmos desafios grandes demais para abordar. Uma boa forma de lidar com esses desafios é dividi-los em pequenas etapas. Escrever uma dissertação é uma tarefa menos assustadora quando pensamos em um número de páginas por dia

ADOTAR PRAZOS

Trabalhos escolares ou a declaração do Imposto de Renda têm prazos bem definidos, mas muitas outras tarefas pequenas, não. Se você tem um e-mail que precisa responder, ou precisa arrumar o seu quarto, defina um prazo final e se atenha a ele

 

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here