Resíduos de isopor podem ser destinados à coleta seletiva e são encaminhados para centros de triagem

Uma grande dúvida quando o assunto é reciclagem refere-se ao tipo de material que pode ser reciclado. O isopor é um deles. A Prefeitura de São Paulo, por meio da Autoridade Municipal de Limpeza Urbana (Amlurb), informa que o isopor pode ser separado e destinado à coleta seletiva. Os resíduos são destinados às duas Centrais Mecanizadas de Triagem da Prefeitura. Dentre as Cooperativas conveniadas, a ReciFavela também recebe resíduos de isopor para reciclagem.

O Movimento Recicla Sampa, plataforma online de amplo conteúdo de educação ambiental em resíduos sólidos, disponibiliza aos munícipes diversos pontos de coleta por tipo de resíduo, inclusive o isopor. Acesse: https://www.reciclasampa.com.br/pontos-de-coleta.


Sobre a Coleta Seletiva
A Prefeitura disponibiliza o serviço de coleta seletiva domiciliar porta a porta em 94 dos 96 distritos da cidade, cobrindo cerca de 76% das vias, nas 32 Subprefeituras. Em 2020, foram coletadas cerca de 94,3 mil toneladas de materiais recicláveis – um aumento de 17% em relação a 2019, quando foram coletadas cerca de 80,4 mil toneladas.

Segundo o site Recicla Sampa, são diversas as dúvidas que recaem sobre o isopor: o que é, do que é feito? Pode reciclar ou não? Ele é um poliestireno expandido ou EPS (sigla derivada de seu nome em inglês, Expanded Polystyrene), ou seja, um tipo de plástico duro derivado do petróleo. Portanto, a reciclagem de isopor pode ser realizada e deve ter incentivo entre a população e as empresas.

Para se ter ideia da falta de conhecimento da população, apenas 7% dos brasileiros sabem que reciclar isopor é possível, de acordo com dados de pesquisa realizada em 2015 pela empresa de embalagens Meiwa, de São Paulo. A informação pode ser considerada alarmante, já que o produto, apesar de leve – constituído por até 98% de ar –, foi considerado um dos piores poluidores do planeta pelo relatório Plastics BAN – Better Alternatives Now, lançado no fim de 2016 por quatro organizações não-governamentais dos Estados Unidos.

Entre outras coisas, o relatório aponta que o EPS pode provocar câncer em animais. Além disso, o isopor e demais plásticos são especialmente perigosos para aves litorâneas e vidas marinhas, já que os animais podem ingerir pedaços e partículas destes materiais. Daí a necessidade de reciclar e reaproveitar o poliestireno expandido em vez de descartá-lo na natureza.

Reciclando EPS: de matéria-prima a energia

O EPS pode e deve ser 100% reciclado e reutilizado. A reciclagem de isopor pode ser realizada de três formas:

Reciclagem mecânica 

É a mais comum de todas. O material, depois de separado e limpo, passa por processo de retirada de gás, fazendo com que restem apenas flocos. Depois de derretido e granulado, volta a ser matéria prima para ser usada na fabricação de variados tipos de produtos.

Reciclagemenergética 

Este método usa o poliestireno expandido para a recuperação de energia, já que o material possui alto poder calorífico.

Reciclagemquímica 

Aqui, o plástico é reutilizado para a fabricação de óleos e gases.

Como e onde reciclar isopor?

Na cidade de São Paulo, desde o dia 13 de abril de 2016, é possível descartar embalagens e outros produtos feitos de EPS no PEV-M (Ponto de Entrega Voluntária Monitorado) localizado na área externa da entrada da Câmara Municipal de São Paulo. Assim, o material que seria descartado junto ao lixo comum é encaminhado para a cooperativa Cora, onde é comercializado e transformado em novos produtos, como telhas termo acústicas, material para preenchimento de pufes, molduras, rodapés, solados, chinelos, floreiras e outros.

No país todo existem aproximadamente 1.200 pontos de coleta de isopor. Para saber o local exato dos pontos de sua cidade, basta entrar em contato com a Comissão Setorial EPS por meio do site da entidade. Vale lembrar que, para o EPS ser reciclado, é preciso que esteja limpo na hora do descarte. Como nem sempre há pessoal para limpar nas cooperativas, muitos materiais deixam de ser reciclados e reutilizados. Em algumas cidades (como Blumenau, Santa Catarina, por exemplo), as cooperativas coletam apenas as embalagens de proteção de eletroeletrônicos e não as de comida, exatamente por este motivo.

Conscientização

A conscientização é sempre a melhor opção para que a sociedade faça escolhas cada vez mais sustentáveis. Com o objetivo de informar à população que o isopor é um plástico 100% reciclável, a Plastivida (Associação Socioambiental) apresentou a campanha “Recicla Isopor®” na 14ª Conferência de Produção Mais Limpa e Mudanças Climáticas.

“Nosso objetivo maior é estimular a prática do consumo responsável e do descarte adequado, com base na disseminação do conhecimento sobre a reciclabilidade do material, além de ser uma ação de sustentabilidade, que gera benefícios ambientais, sociais e econômicos”, afirmou Miguel Bahiense, Presidente da Plastivida (Instituto Socioambiental dos Plásticos) durante o lançamento da iniciativa.

Fonte: Secretaria Especial de Comunicação PMSP e Recicla Sampa / imagem em destaque: Shutterstock