O plano de ação é pra imunizar aproximadamente 100 mil policiais e profissionais do Corpo de Bombeiros.

Foi anunciado nesta quarta-feira (25), pelo Governador do Estado de São Paulo João Dória, a antecipação da vacinação de Influenza (gripe), para policiais militares, policiais civis e também profissionais do Corpo de Bombeiros, a partir da próxima segunda-feira (30). Estava previsto para iniciar dia 16 de abril a vacinação deste público, que foi adiada devido as mudanças de combate ao coronavírus (COVID-19) no estado de São Paulo.

“Por recomendação do Centro de Contingência do Coronavírus, antecipamos a vacinação destes profissionais. Uma decisão amparada em medidas fundamentadas, assim como todas as iniciativas do Estado, com o objetivo de proteger a saúde e proteger vidas”, Contou Doria.

Vale lembrar que a vacina contra a gripe não imuniza contra o novo coronavírus, mas a campanha é necessária para reduzir o número de pessoas com sintomas respiratórios nos meses que seguirão.

“A antecipação para esse grupo é fundamental, pois eles estão na linha de frente da pandemia, junto com os profissionais de saúde. Nossa expectativa é imunizar cerca de 100 mil policiais em todo o Estado”, comentou o Secretário de Estado da Saúde, José Henrique Germann.

Também será antecipada a etapa da que será dirigida a gestantes, puérperas (com até 45 dias após o parto), crianças a partir de seis meses e menores de seis anos, povos indígenas e demais grupos prioritários, inclusive dois novos públicos inseridos a partir deste ano: os adultos de 55 a 59 anos e as pessoas com deficiência (física, auditiva, visual, intelectual e mental ou múltipla). Na data de início dessa última etapa, também está previsto o “Dia D” de Mobilização Nacional, quando os postos deverão funcionar no sábado, 9 de maio, das 8h às 17h.

Graças a uma operação do Instituto Butantã, foi possível a antecipação dessa campanha de vacinação. Pois foi acelerado a produção das 75 milhões de doses da vacina que serão fornecidas para a campanha nacional. Vale ressaltar que essa campanha está sendo a maior da história no Brasil, e teve números expressivos de ampliação, chegando nos 13% em relação as vacinas aplicadas em 2019.

As equipes deverão anotar as doses aplicadas, com mesas e distanciamento de pelo menos 1 metro entre o anotador e paciente. Cada profissional deverá usar caneta própria e álcool, que deverá ficar disponível para uso. O vacinador não precisa utilizar luvas nem máscara cirúrgica, apenas seguir as normas de higienização.