Programa Guardiã Maria da Penha garante acionamento da guarda civil em situações de emergência e pedidos de socorro

Resultado de imagem para aplicativo botão do panico mulheres
Foto: Acervo de divulgação.

Criado para atender mulheres vítimas de violência doméstica, o programa Guardiã Maria da Penha – parceria entre a Guarda Civil Metropolitana e o Ministério Público de São Paulo – será ampliado. Começa a funcionar nesta quarta-feira (24) um aplicativo com função de botão do pânico.

Pelo aplicativo, a equipe vai até a casa da vítima, apresenta-se e passa as orientações. Após o primeiro contato e a inclusão no programa, há rondas nos locais onde a mulher se sente ameaçada.

“Eu encorajo todas as mulheres a tomarem a mesma iniciativa que tomei. Não somos obrigadas a viver sendo espancadas e não devemos ter medo de denunciar”, afirma Susana, uma dona de casa de 49 anos que enfrentou problemas de violência com o marido e o filho e pediu medida protetiva. “Acredito que vou ficar mais protegida com o aplicativo. Só um clique e a ajuda vem imediatamente.”

Resultado de imagem para aplicativo prefeitura de são paulo mulheres violência

O Guardiã atende hoje 170 mulheres da região central de São Paulo. E será ampliado para as regiões norte e sul da capital no dia 1º de novembro. Desde 2014, a iniciativa já realizou 42.814 visitas e atendeu 1.888 mulheres. Na prática, o MP (Ministério Público) encaminha os casos de medidas protetivas para a GCM (Guarda Civil Metropolitana), com classificação de risco verde, amarela ou vermelha, pela gravidade. Até esta terça-feira (23), caso estivesse em situação de emergência e precisasse pedir o socorro de guardas-civis, a única opção da vítima seria telefonar para o 153. Hoje o aplicativo é mais uma possibilidade de acionamento.

Em Sorocaba, no interior paulista, um aplicativo de botão do pânico funciona desde fevereiro – e já teve 50 acionamentos. Em outras cidades de São Paulo, as vítimas podem recorrer ainda ao aplicativo Juntas (PLP 2.0) que “pede socorro a pessoas cadastradas”. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here