Repertório será repleto de canções de Tarântula, terceiro álbum do trio formado por Assucena Assucena, Raquel Virginia e Rafael Acerbi

No dia 21 de março de 2020, sábado, 21h30, o grupo As Bahias e a Cozinha Mineira se apresenta na Comedoria do Sesc Belenzinho. No repertório canções do disco Tarântula, lançado em 2019. As Bahias e a Cozinha Mineira é formada pelas vocalistas Assucena Assucena e Raquel Virginia e conta com Rafael Acerbi na guitarra e no violão.

Sucessor do premiado Bixa (2017), o trabalho foi lançado logo depois do single e clipe Das Estrelas, também em 2019 e que já dava mostras do tom eclético, doce e, ao mesmo tempo, político do disco que viria a ser lançado em seguida.

Assucena relembra que Tarântula nasceu sem pretensão, em razão de ter sido inicialmente concebido para um EP. Apesar do tom também político, o grupo se livrou das retóricas para criar uma obra livre que trata também do afeto e do cotidiano. “Tarântula construiu seu conceito na medida em que íamos descobrindo cada canção e conectando seus significados até chegar a um disco”, explica Assucena. Para Raquel, em Tarântula há “paixões perdidas, fuça de fuzil, a Bahia e mulheres que botam para quebrar”. “O álbum é o século 21 sob nossa perspectiva, nossas crônicas, relatos e aventuras”, resume.

A perspectiva das duas vocalistas é confirmada pelo músico Rafael Acerbi que, diferentemente dos discos anteriores, não vê nada de linear no trabalho. “Em Tarântula não existe começo e fim e o ouvinte pode começar a degustá-lo por qualquer faixa”, diz Rafael que neste disco estreou como compositor e cantor em Volta – canção que fala do desgaste do amor – ao lado de quatro músicas escritas por Assucena Assucena e as demais cinco assinadas por Raquel.

O álbum de MPB tem os esperados sambas e baladas que já são marcas do trio, mas avança no universo do pop. O manifesto, no entanto, começa em seu nome inspirado pela “Operação Tarântula”, polêmica e curta ação policial feita de fevereiro a março de 1987, que perseguiu mais de 300 travestis com o pretexto de que, ao exterminá-las, podia-se prevenir o HIV. “Tarântula” para o trio também significa a energia feminina e a fertilidade da aranha que tece sua própria rede – assim como o trio ao se aliar a diversos produtores – entre eles Guilherme Kastrup, Haroldo Tzirulnik, Márcio Arantes e Marcelinho Ferraz – para apresentar um disco de MPB moderno e eclético que vai da pista ao samba da Bahia.

Raquel Virgínia, Assucena Assucena e Rafael Acerbi conheceram-se no curso de história da Universidade de São Paulo por volta de 2011. Da convivência, algumas ideias já se colocaram como projeto musical. A banda decidiu tocar junto de fato a partir da morte de Amy Winehouse, em 2011. O primeiro álbum da banda, Mulher, foi lançado oficialmente em 2015 e, dois anos depois, veio o segundo álbum, Bixa.

AS BAHIAS E A COZINHA MINEIRA

Dia 21 de março de 2020. Sábado, às 21h30

Local: Comedoria (650 lugares)

Ingressos: R$ 30,00 (inteira); R$ 15,00 (aposentado, pessoa com mais de 60 anos, pessoa com deficiência, estudante e servidor da escola pública com comprovante) e R$9,00 (credencial plena do Sesc – trabalhador do comércio de bens, serviços e turismo credenciado no Sesc e dependentes. Ingressos disponíveis pelo portal Sesc SP (www.sescsp.org.br) a partir do dia 10/3, às 12h, e nas bilheterias das unidades do Sesc a partir de 11/3, às 17h30. Limite de 2 ingressos por pessoa.

Recomendação etária: 18 anos

Duração: 90 minutos

Sesc Belenzinho

Endereço: Rua Padre Adelino, 1000.

Belenzinho – São Paulo (SP)

Telefone: (11) 2076-9700

www.sescsp.org.br/belenzinho

Estacionamento

De terça a sábado, das 9h às 22h. Domingos e feriados, das 9h às 20h.

Valores: Credenciados plenos do Sesc: R$ 5,50 a primeira hora e R$ 2,00 por hora adicional. Não credenciados no Sesc: R$ 12,00 a primeira hora e R$ 3,00 por hora adicional.

Para espetáculos pagos, após as 17h: R$ 7,50 (Credencial Plena do Sesc – trabalhador no comércio de bens, serviços e turismo). R$ 15,00 (não credenciados).