História centenária do bairro começou a partir dos hábitos e língua dos indígenas, que traduziam “Tatuapé” por “caminho do tatu” 

Para comemorar neste sábado (5) seu aniversário de 352 anos, o bairro do Tatuapé, na zona leste de São Paulo, ganhou uma exposição com cinco esculturas de tatus, no estilo da “Cow Parade”. As obras ficarão espalhadas pelo bairro pelos próximos seis meses. A iniciativa é de um grupo formado por arquitetos, artistas, empresários e lojas do setor de construção, que se juntaram para homenagear a história centenária do bairro.

A matéria-prima das esculturas veio da associação de lojistas Pool Design, em parceria com a empresa Otho Esculturas, que tentam também fidelizar clientes da região. “Antes de pedir, temos que entregar. A ideia é despertar essa chama de curiosidade nas pessoas através da arte, da música, do folclore e história do bairro”, explicou o presidente da associação, Rogério Garcia Parra.

As esculturas tentam relembrar as origens da região da zona leste. Em tupi-guarani, a língua dos povos indígenas que habitavam São Paulo antes da colonização portuguesa, “Tatuapé” signfica “caminho do tatu”. O nome também remete ao hábito comum na região por volta do século XVII, de “caçar tatu a pé”.

Cada uma das esculturas buscou representar sentimentos, simbolizados pelas cores dos tatus. Um dos idealizadores do projeto, o arquiteto Anselmo de Oliveira Jr foi responsável pela montagem do tatu preto. “Além de um presente para o Tatuapé, é levar a democratização da arte para o máximo de pessoas e também fazer com que as pessoas conheçam um pouco mais a história”, explicou.

Os tatus estão separados em pontos movimentados do bairro, onde ficarão pelos próximos seis meses. Por enquanto, moradores da região poderão encontrar a escultura verde no Shopping Anália Franco, a amarela no shopping Boulevard Metrô Tatuapé, preta na Praça Nossa Senhora do Bom Parto, Azul praça Silvio Romero e a vermelha no parque Ceret.