Doria e Witzel costuram encontro no carnaval em aproximação de ...

Secretarias estaduais de Saúde contabilizam 2.989 infectados em todos os estados. Foram registradas as primeiras mortes em GO e em SC; são 77 mortos em todo Brasil.

As secretarias estaduais de Saúde divulgaram, até 7h40 de sexta-feira (27), 2.989 casos confirmados do novo coronavírus (Sars-Cov-2) no Brasil com 77 mortos, 58 deles em São Paulo, de acordo com a secretaria de saúde do estado.

Ministério da Saúde atualizou seus números na tarde desta quinta-feira, informando que o Brasil registra 2.915 casos confirmados do novo coronavírus e que já foram registradas 77 mortes – os dados ainda não foram atualizados por todas as secretarias de saúde estaduais.

Paraíba atualizou o número de casos para sete no fim da noite de quinta-feira. Já Porto Alegre teve sua segunda morte provocada pela doença, mas ela ainda não foi contabilizada pelo governo local.

Bolsonaro inclui ‘atividades religiosas’ em lista de serviços essenciais O presidente Jair Bolsonaro editou um decreto que torna as atividades religiosas como parte da lista de atividades e serviços considerados essenciais em meio ao combate ao novo coronavírus. A decisão foi publicada no Diário Oficial da União desta quinta-feira e tem validade imediata, sem a necessidade de aprovação pelo Congresso.

Ao ser considerado essencial, o serviço ou atividade fica autorizado a funcionar mesmo durante a quarentena em razão do novo vírus. Segundo o texto, o estabelecimento deverá obedecer às determinações do Ministério da Saúde.

Na última sexta-feira (20), o governo havia tornado lei o texto que trata das medidas de enfrentamento ao novo coronavírus e listado atividades que deveriam permanecer em funcionamento, como os serviços de segurança pública e saúde.

O funcionamento de atividades religiosas vinha sendo limitado após medidas tomadas pelos governadores como forma de evitar aglomerações e reduzir as possibilidades de contágio do coronavírus. Nas maiores cidades do país, São Paulo e Rio de Janeiro, cultos foram autorizados somente após entidades religiosas entrarem com ações na Justiça.