A Campanha Nacional de Vacinação começa em abril, com exceção do Amazonas, onde ela teve início no dia 20 de março. Segundo o Ministério da Saúde, a campanha deverá acontecer em todo o país no período de 10 de abril a 31 de maio de 2019, sendo 4 de maio o dia de mobilização nacional.

Nesta primeira etapa nacional, que terá início no próximo dia 10, serão priorizadas as crianças de um a seis anos de idade, gestantes e puérperas. Posteriormente, a partir de 22 de abril, os demais grupos prioritários. “Essas são as pessoas que consideramos como grupo de risco. Por contarem com um sistema imunológico mais frágil, estão mais suscetíveis a contraírem a gripe”, comenta o geriatra e professor do Hospital das Clínicas, Dr. Paulo Camiz.

O médico ainda comentou um discurso comum feito pela população mais idosa, associando a vacina à contração da doença. “Uma dúvida que identifico nos meus pacientes que são idosos é a crença de que a própria vacina causa gripe. Isso é mito. O que gera esse mal entendido é o fato de que a vacina contra a gripe não ter 100% de eficácia, ou seja, mesmo após tomar a vacina, a pessoa pode sim contrair gripe em ambientes públicos. O que acontece é que, nas pessoas que foram vacinadas, os sintomas dessa gripe serão muito menores e não apresentarão possíveis complicações”.

Por fim, Dr. Paulo Camiz, que é médico Geriatra e Clínico Geral esclareceu que mesmo quem se vacinou no ano passado, deve tomar a vacina na campanha de 2019. “Os vírus sofrem mutações e se fortalecem. Sendo assim, quem tomou a vacina no ano passado, não está protegido contra essas mutações. Por isso é importante que todos os médicos e meios de comunicação se unam para conscientizar a população da importância de se vacinar”.

Fonte: As informações são da redação do ‘Acontece Agora’.