O evento com a chancela da “Família Tupaciguarinha” está em sua 4ª. Edição e aconteceu em Tupaciguara, uma charmosa cidade localizada no Triângulo Mineiro.

No último fim de semana (4-6/10) eu tive o privilégio de participar de uma grande festa conhecida como Festa dos Tupaciguarenses Ausentes, que está se tornando uma tradição na pequena cidade de Tupaciguara, Minas Gerais.

O evento cheio de pompa e muito organizado reúne o grupo da “Família Tupaciguarinha em sua 4ª. Edição  e a Turma da Crush em sua 2ª. Edição e como nos anteriores, teve o firme comando do Rodrigão  e do Paulo Ernane, dois baluartes da velha guarda que cuidaram dos mínimos detalhes e esbanjaram muita energia, capacidade de organização  e determinação para que tudo saísse como planejado.  A Festa dos Tupaciguarenses Ausentes dividiu-se em dois eventos:

O Baile no Clube ART

O primeiro evento foi o Baile no Clube ART (Associação Recreativa Tupaciguarense) palco dos grandes acontecimentos da cidade, que marcou época nos anos 60 a 90, mas que até hoje continua firme à espera de boas idéias para voltar a brilhar. O Baile aconteceu na noite de sexta-feira (04) e contou com a participação de cerca de 500 convidados. O show  iniciou-se com uma apresentação de danças árabes pela “Cia. de danças Cedro do Líbano”, com a direção da professora Mariam Tanous e a cada apresentação o público respondia com aplausos.

E para os homens e mulheres que não tivesse acompanhados tinha o grupo de dançarinos trajando um colete verde com os dizeres “Dança Comigo”, que estavam à disposição de todos convidados. Após o show da banda ainda tivemos apresentações da música sertaneja com os irmãos Claudio Zum e Ronan di Carmo e Isaías no berrante que apresentaram um rico repertório sendo muito aplaudido por todos.

Logo após a apresentação da Cia de dança, para delírio dos convidados entrou em cena a esperada Banda Nova York que executou um vasto repertório desde as baladas de sucessos dos anos 80 e 90 até os melhores clássicos sertanejos, sempre acompanhados de coreografias apresentadas pelas belas moças e rapazes do grupo Eu Canto, tudo com muito bom gosto e figurino impecável. Logo os convidados passaram a interagir e a cada música tocada, os casais se revezavam dançando no salão.

Rodrigão, Paulo Ernane e o jornalista Divaldo Rosa (Bazé)

Os organizadores ainda jogaram uma cartada de mestre ao convidar para uma “palhinha” o cantor Roberto Felipe, remanescente do saudoso Conjunto Anjos Negros, de tantas lembranças inesquecíveis naquele palco. Emocionado, Roberto Felipe soltou a sua bela voz e cantou para a alegria dos presentes, nos embalos da Banda Nova York, sendo aplaudidos de pé por todos no salão. O baile terminou às 4 horas da manhã, sem que fosse registrado um único incidente, discussão ou mal entendido entre os convidados, o que foi confirmado pela Érika, responsável pelo cerimonial do evento.

O Churrasco no Lions Club

No sábado (05), aconteceu o segundo evento da Festa que foi um almoço com churrasco  na sede do Lions Club de Tupaciguara que contou com a participação de  mais de 250 convidados e tudo aconteceu sem qualquer incidente, na mais perfeita harmonia, digna de uma verdadeira família.

O ponto alto do evento foi o momento em que todos ficaram de pé e cantaram parabéns para o Sr. Otacílio Bernadino, pai do Zé Bernadino, que completará no próximo dia 23, nada menos que 100 anos e também para Maria Helena, esposa do Cloves Campos que vieram de Governador Valadares para prestigiar o evento. 

Na tarde toda, via-se o irreverente “Fordinho” com uma garrafa de pinga a servir o pessoal, ficamos sabendo que o fazia sob a orientação do Valeriano que forneceu a “mardita” para ser servida pelos apreciadores de uma branquinha, sendo que aquela tinha o nome de “Na Bunda”. Pelo que ficamos sabendo muita gente tomou a cachaça e gostou. 

Ao final serviu-se uma deliciosa sobremesa de doces cristalizados, que os organizadores sempre providenciam . Foram homenageados ainda, o Paulo Ernane, o Sidemar e o  Luiz Antonio “Fordinho” por terem inspirado ao Rodrigão em 2017, para realizar o segundo encontro. Durante o almoço ainda tivemos a participação musical sertaneja, nas vozes dos irmãos Claudio Zum e Ronan di Carmo  e do Isaías no Berrante, que cantaram um som rural digno dos mais rasgados elogios. 

Um Gol de Placa

Existe um velho ditado popular que diz: “As boas idéias devem ser copiadas”. Pois é o caso desta iniciativa de alguns abnegados que não pouparam esforços para realizar um sonho. A Festa Tupaciguarenses Ausentes pode servir de exemplo para milhares de pequenas cidades nos rincões mais distantes desse Brasil gigante. A Festa em Tupaciguara, não apenas incentivou a volta à cidade de muitos que a amam, mas devido à distância vão esquecendo a cidade natal. Outro ponto importante é a geração de renda para o comércio local e para os cofres públicos municipal, pois os hotéis não tinham um único quarto vago e todo o comércio saiu ganhando.  

Renato Bittencourt e Maria Helena, Paulinho Berola e Rosana, Vanuza e o jornalista Divaldo Rosa.( esquerda p/ a direita)

Para maiores informações sobre a cidade clink  no link abaixo:
https://www.cidade-brasil.com.br › municipio-tupaciguara

Divaldo Rosa – jornalista/SP