De forma semipresencial, a Comissão de Saúde, Promoção Social, Trabalho e Mulher realizou na tarde desta quarta-feira (17/2), a primeira reunião ordinária de 2021. Os trabalhos foram conduzidos pelo vereador Felipe Becari (PSD), presidente do colegiado.

Em pauta, o requerimento de autoria da vereadora Juliana Cardoso (PT) , vice-presidente da Comissão, que solicita a realização de Audiência Pública, com o tema “Fechamento do acesso direto aos Prontos Socorros dos Hospitais Grajaú, Itaim Paulista, Pedreira e Vila Alpina e seu impacto na rede municipal de Saúde” convidando as secretarias municipal e estadual de Saúde e o Conselho Municipal de Saúde.

“A nossa Comissão tem um papel importante de dialogar sobre essa falta de capacidade de atendimento a quem necessita. Essa é uma oportunidade de dialogarmos com o secretário de Saúde para acompanharmos o que está sendo feito em nossa cidade”, comentou a autora do requerimento que foi rejeitado pela maioria dos vereadores do colegiado.

Foram quatro votos contrários e três votos favoráveis. O vereador Felipe Becari se posicionou contrário e comentou sobre a importância de se encontrar com o secretário de Saúde com antecedência e dialogar sobre as ações no município. “Eu já marquei uma reunião com o secretário Edson Aparecido para a próxima semana para que a Comissão de Saúde discuta com o Executivo as pautas mais importantes a serem tratadas pela Casa e entenda quais ações estão sendo realizadas na capital”, comentou.

O presidente da Comissão ainda acrescentou que “ O fechamento dos equipamentos de saúde é administrado pelo Governo do Estado, portanto não compete ao município”.

vereadora Luana Alves (PSOL), favorável ao requerimento, falou sobre a urgência de se tratar questões que dizem respeito ao atendimento de pacientes na capital, principalmente em época de pandemia da Covid-19.

“O requerimento que a vereadora Juliana apresentou, solicitou a realização de uma Audiência Pública que é competência desta Casa. Eu justifico meu voto dizendo que uma audiência não diz respeito sobre decisões, deliberações e nem decide no lugar da Secretaria Municipal de Saúde e nem da Secretaria Estadual de Saúde. Para mim, isso significa abrir espaço para um debate sobre a questão”, pontuou Luana.