Descontos pequenos frustraram as expectativas de muitos consumidores que foram às compras em shoppings da capital paulista nesta edição da Black Friday. As principais denúncias registradas no Procon até a tarde desta sexta (29) confirmam essa percepção dos clientes entrevistados pela reportagem: maquiagem nos descontos, mudança nos preços ao finalizar a compra e produto ou serviço indisponível. As empresas com mais irregularidades são as de departamento, sejam online ou loja física.

Além da sensação de que as lojas tenham aumentado o valor dos produtos e serviços algumas semanas ou dias antes para retornar ao preço original na Black Friday e iludir o consumidor como se fossem grandes descontos, clientes relatam também que há muita propaganda em algumas lojas, mas poucos produtos que realmente estão na oferta.

E isso é o que conta o sacerdote Vando Caetano, 41, que foi ao Shopping Tatuapé (zona leste) para comprar uma boneca.

“As lojas fazem propaganda como se o desconto fosse em muitos produtos, mas você chega lá e é só em alguns poucos, e nos menos populares”, diz.

Os descontos pequenos que frustram as expectativas dos consumidores foram recorrentes, assim como ocorreu com Gabriel Vieira, 22, no Shopping Frei Caneca (região central).

“Estava esperando a Black Friday para comprar uma televisão, mas não senti diferença nos preços. Estou pesquisando há três meses”, afirma o assistente de importação.

Consumidores que pesquisam os valores de um produto específico há mais tempo tendem a comprar pela internet, que tem oferecido melhores ofertas, mas quando vão às lojas físicas para “dar uma olhadinha”,  acabam levando outras coisas que não eram seu objetivo, mesmo que o desconto não seja relevante.

O analista de benefícios Luis Henrique Grimza, 36, comprou um Iphone pela internet e, mesmo percebendo que as condições de compra eram melhores, saiu do Shopping Tatuapé com mais sacolas do que esperava.

Mesmo aqueles que identificam diferença nos preços admitem que isso é difícil de encontrar na prática, como conta a promotora Crisane Silvestre, 37, que foi ao Shopping Tatuapé comprar sapatos. “Notei muita diferença nos preços, algo em torno de 50% do valor, mas não é em todas as lojas. É bem relativo”, conta.