Animais de estimação podem ser contaminados ou transmitir o novo coronavírus? Os donos podem sair para passear com o pet? Confira essas e outras respostas

Ainda sem vacina ou tratamento definido, o novo coronavírus tem causado muita preocupação e até tensões políticas . Na tentativa de frear a disseminação do vírus Sars-CoV-2, a Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda reforçar a higiene e minimizar o contato social. Há também orientações para donos de animais de estimação – compilamos todas elas. Confira. 

Animais de estimação podem ser contaminados ou transmitir o novo coronavírus?

De acordo com informações da Organização Mundial de Saúde (OMS), até o momento, não há evidências de que os pets possam ser infectados pelo coronavírus, nem que sejam capazes de transmitir a doença.

O  caso do cachorro de Hong Kong que testou positivo em nível fraco para o coronavírus e morreu após sair da quarentena, indica apenas para uma contaminação ambiental, já que o animal não apresentou nenhum sintoma. Especialistas que acompanharam o caso acreditam que a causa óbito tenha sido o estresse do isolamento e a idade avançada – o lulu da pomerânia já estava com 17 anos. 

Existem pesquisas que comprovam que os animais não transmitem o coronavírus?

Claudio Rossi, veterinário e Gerente Técnico da Unidade Pet da Ceva Saúde Animal, explica que como o vírus é novo, os estudos ainda estão em andamento. “No caso dos animais, a indicação é buscar informações nos boletins oficiais e atualizados que estão sendo divulgados pelas instituições, como a World Small Animal Veterinary Association (WSAVA), uma das entidades na qual os clínicos veterinários de todo o mundo se baseiam hoje”, afirma. 

Algum tipo de coronavírus atinge os pets?

Sim, mas a cepa do vírus é diferente da que causa a doença Covid-19, que assusta o mundo atualmente. “O coronavírus é apenas o nome de um vírus, seu sobrenome que difere a espécie acometida, transmissão, letalidade e caráter zoonótico. Os tipos asiáticos são o MERS e o SARS, já o canino é o CCoV e os felinos são o FECV e o FIPV “, explica Caroline Mouco, veterinária do Hospital Vet Popular. 

Para o coronavírus canino e felino, que não são transmitidos para os humanos, já existe vacina e tratamento. Juliana Ferreiro Vieira, coordenadora clínica do Hospital Veterinário Prontvet, afirma que os animais vacinados possuem baixo risco de manifestar essas doenças. 

Com a recomendação de ficar em casa, o que fazer se meu cão só faz as necessidades fisiológicas na rua?

O ideal é não sair e estimular o pet a fazer as necessidades em casa, com locais reservados e confortáveis para tal. Porém, não é todo animal que vai mudar os hábitos em poucos dias. Sabendo disso, o Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV) indica que os passeios sejam reduzidos e que, em último caso, sejam feitos em pequenas distâncias, apenas para atender às necessidades fisiológicas do animal. Evitar concentração em parques e praças, além do contato de um estranho com o cão também é importante. Ao voltar para casa, fazer a higienização das patas antes mesmo de entrar.