Por: Divaldo Rosa

Foto: Córrego Lappena (Imagem de Acervo)

A cidade de São Paulo tem 96 distritos, cada um deles com seus bairros e suas histórias particulares. Na Zona Leste, logo ao lado da Estação São Miguel Paulista (lado de baixo da linha da CPTM), estão os bairros Jardim Lapenna, União de Vila Nova e Vila Nair, jurisdição da subprefeitura de São Miguel Paulista e que é lar de mais de 15 mil pessoas.

Esta região está na área crítica onde ocorrem enchentes devido a existência de córregos que deságuam no Rio Tietê e diante dos últimos alagamentos ocorridos na região, fomos conferir de perto como está sendo feito o serviço de limpeza e desassoreamento de um pequeno canal conhecido como “Córrego Lapenna”, ao lado do qual existem muitas ocupações irregulares.

Andamos por cerca de 300 metros na beira do “córrego”, entre o pontilhão da Av. Jacu Pêssego e o córrego Jacu e no começo do canal onde ele passa atrás da Cia Nitro Química e é estarrecedor o que encontramos. Logo no começo o canal forma uma lagoa de águas podres e na medida em que vamos descendo já dentro do Parque Linear percebemos uma infestação de ratos e mosquitos e água podre parada e com muito mau cheiro, além de carcaças de animais jogadas no seu leito. O mato de mais de 2 metros em alguns lugares e o assoreamento reduziram a vazão do “córrego” em mais de 80%, o que revela a falta de falta de cuidados por parte do DAEE e da Subprefeitura de São Miguel.

A nossa equipe descobriu que esse leito do “Córrego Lapenna” recebe através de dutos, boa parte das águas das chuvas do centro de São Miguel. O assoreamento das águas ocorre a partir da presença de sedimentos (solo, lixo, entulho, esgoto) que escoam com as chuvas ou ventos e são depositados no leito, causando danos, irreversíveis, como a perda do curso d’água.

Em nossa opinião esse leito merece uma ação conjunta do DAEE e da Prefeitura de São Paulo. O DAEE precisa fazer o desassoreamento e ou canalização do córrego e à prefeitura cabe fazer a remoção de mais de 50 famílias que construíram seus barracos dentro do leito do “córrego”, obrigando crianças e idosos a conviver com doenças constantes fruto da falta de saneamento básico no local.

Subprefeitura de São Miguel

Em resposta a Subprefeitura de São Miguel informou que “o canal de circunvalação”, conhecido como Córrego Lapenna cumpriu durante algum tempo a função de drenar as águas pluviais até o Córrego Jacu e devido as ocupações irregulares por barracos, entulhos, lixos e assoreamentos, o DAEE em parceria com a Sabesp e Petrobras construíram um novo canal dentro do terreno da Sabesp que fica ao lado do jardim Lapenna, que contou com a articulação da subprefeitura de São Miguel. A nota informa que para o canal construído no terreno da Sabesp tem previsão de limpeza para junho desse ano mas não fala em desassoreamento e limpeza do canal conhecido por Córrego Jacu, que é o pior cartão de visita para os frequentadores do Parque Linear da Vila Jacuí, a única área de lazer daquela localidade.

Veja a seguir um vídeo da nossa reportagem: