Prefeito licenciado de São Paulo passa por tratamento contra um câncer

O prefeito licenciado de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), segue em tratamento médico contra um câncer no hospital Sírio Libanês, na capital paulista. Segundo último boletim médico, divulgado nesta quinta-feira (6), Covas será submetido a radioterapia para controlar um sangramento no estômago.

A equipe médica relatou que, após passar por procedimento de endoscopia, o tucano ainda apresenta “discreto sangramento” no estômago.

“Na quarta-feira, dia 5, ele foi submetido a novo exame de endoscopia digestiva alta que evidenciou discreto sangramento residual no estômago. Desta forma, foi iniciado tratamento local com radioterapia para controle deste sangramento”, detalhou o boletim. 

Continua após o anúncio...

O documento acrescenta ainda que “o prefeito está recebendo todo suporte clínico necessário e seu quadro clínico é estável.” Até o momento, não há previsão de alta hospitalar.

Bruno Covas chegou a ser transferido para UTI na última segunda-feira (3), e precisou ser intubado após a detecção do sangramento causado por uma úlcera na região da cárdia – a passagem do esôfago para o estômago.

Licença e tratamento 

Covas anunciou que se afastaria do cargo de prefeito de São Paulo por 30 dias no último domingo (2). Em nota, a prefeitura afirmou que o afastamento foi motivado pelo surgimento de novos focos de câncer do sistema digestivo de Covas.

“Com o surgimento de novos focos, o Prefeito de São Paulo precisará de dedicação integral ao tratamento e entende que não será compatível com as suas responsabilidades e compromisso com a cidade e os paulistanos”, diz o texto.

Em suas redes sociais, o prefeito postou um comunicado dizendo que tem sido “o mais transparente possível com a situação” de sua saúde e agradeceu o apoio recebido.

“Obrigado a todos. O apoio e carinho que recebo é essencial para superar os desafios que venho enfrentando. Com força, foco e fé, venceremos”, disse Covas. Com a licença, o vice Ricardo Nunes assumiu o posto por 30 dias. 

Fonte: CNN