O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), em entrevista ao jornal Folha de São Paulo , criticou a postura do governo federal em comemorar o golpe militar de 1964. O tucano ainda atacou o filósofo Olavo de Carvalho, considerado o “guru ideológico” do presidente Jair Bolsonaro.

Questionado sobre a comemoração realizada pelo governo no último dia 31, em homenagem ao início da ditadura de 1964, Doria afirmou que foi um erro exaltar o que todos sabem que foi um golpe: “A meu ver, o governo não agiu bem ao promover ou ao pedir que isso fosse comemorado. Eu não creio que o golpe de 1964 deva ser objeto de comemoração. 31 de março foi um golpe”, disse João Doria.

“Então essa história existiu. Negar a existência de uma história real não é recomendável. Não se pode apagar o passado”, completou o governador.

Questionado sobre as recentes críticas de Olavo de Carvalho ao vice-presidente Hamilton Mourão, Doria foi duro com o filósofo. “Eu prefiro não emitir a minha opinião sobre Olavo de Carvalho. Até porque não considero importantes as opiniões que ele tem a emitir sobre o Brasil”, desdenhou.

Governador exalta reforma da Previdência

Doria também se posicionou de forma favorável à reforma da Previdência, afirmando que, sem a mudança, o Brasil ficaria estagnado. Nesta quarta-feira, em entrevista para o jornal Folha de São Paulo, ele voltou a afirmar que a não consolidação pode mergulhar o país em um caos econômico e social.

“Vai faltar dinheiro. E não apenas para o governo federal, mas para todos os estados, sem distinção. E o mesmo ocorrerá em relação aos municípios. O adiamento refletirá uma perspectiva ruim”, afirmou João Doria.

“Sem a reforma, teremos um caos econômico e social, impondo aos mais pobres a perda de empregos e o empobrecimento das ações sociais de municípios, estados e do governo federal. Ninguém escapa. Todos mergulharão no caos. Todos, sem exceção”, finalizou o governador.

Doria afirmou ainda que tem conversado com o presidente Jair Bolsonaro, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, e o presidente do Congresso, Davi Alcolumbre sobre o tema: “Eles sabem da responsabilidade que possuem”.

Por fim, quando foi perguntado sobre a possibilidade de concorrer à Presidência da República em 2022, João Doria desconversou e afirmou que o momento é de gestão e administração, e não de abrir qualquer discussão sobre sucessão ou campanha.

Fonte: As informações são da redação do portal ‘iG’.