O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), fez uma crítica a instituições de direitos humanos por, segundo ele, os grupos não terem se manifestado contra a morte de um policial militar da Rondas Ostensivas Tobias Aguiar (Rota), no último sábado (4). A declaração do chefe máximo do Executivo estadual aconteceu durante a inauguração do Centro de Tecnologia e Inovação de multinacional especializada em bens de consumo, em Louveira (SP), nesta terça-feira (7).

Carro foi alvejado por bandidos em rua de Interlagos — Foto: Divulgação/Polícia Civil
Foto: Carro dos bandidos é alvejado – (Imagem de Reprodução)

O crime foi na porta da casa de Fernando Flávio Flores, de 38 anos, na zona sul de São Paulo. Um vídeo registrou a ação dos assassinos. De acordo com o governador, as instituições de direitos humanos costumam se manifestar quando “um bandido cai morto em ação da polícia”, mas ele não vê a mesma reação com a morte de um policial.

“Ninguém mata um policial na porta da sua casa. Isso evidente foi um crime encomendado. (…) Eu recomendei ao secretário de segurança pública que oferecesse todo apoio necessário à família e lamentei o fato de que as instituições de direitos humanos, quando algum bandido cai morto por conta de ter agredido a polícia, ter tentado agredir ou matar, se manifestam. Agora, quando um policial cai morto na porta de casa saindo para o trabalho eu não leio, não ouço e não assisto nenhuma manifestação”, afirmou o governador.

Além disso, Doria afirmou que as forças de inteligência da polícia de São Paulo já começaram a trabalhar para identificar os autores do crime. A Polícia Civil investiga ameaças recebidas há seis meses pelo policial. Há a suspeita de que o crime tenha relação com a ação da PM em Guararema, há um mês, que terminou com 11 suspeitos mortos. Um carro semelhante ao usado pelos criminosos foi encontrado em Parelheiros.

Reforma de delegacias

O governador de SP ainda prometeu que vai iniciar, ainda neste ano, a reforma de delegacias no estado. De acordo com ele, o relatório do Tribunal e Contas do Estado (TCE), que apontou que 60% dos distritos não têm o espaço físico conservado, e 60% têm fissuras, goteiras e infiltrações, é correto e evidencia que a situação realmente não é boa.

Doria ainda disse que o cronograma de reforma dos distritos prevê que as obras comecem pelas delegacias da capital, depois da Grande São Paulo e só depois Interior e Litoral. As unidades das duas últimas regiões só devem receber as intervenções em 2020, com o orçamento previsto pelo governo estadual exclusivamente para o serviço.

“As da capital são as que estão em pior estado (…). Eu determinei que as primeiras 40 delegacias da capital sejam reformadas. As da capital são as que estão em pior estado (…). Na sequência vamos a mais 40 e depois sucessivamente. Em 2020, vamos prever no orçamento uma verba para a reforma das delegacias. O interior e o litoral vão ficar para o ano que vem com esse orçamento já pré-definido”, explicou.

Inauguração

O novo Centro de Tecnologia e Inovação da multinacional de P&G é especializado nos produtos de beleza e higiene da empresa. O investimento foi de R$ 200 milhões e serão feitas pesquisas de unidades de cuidados para bebês. Pelo menos 150 profissionais de dez nacionalidades diferentes foram contratados.

Fonte: As informações iniciais são do portal de notícias ‘G1’.