Criado por um coletivo da região, espaço terá atividades para moradores e propõe atuação também para estimular novos escritores das periferias

O estudante Luan de Oliveira, 16, estava se sentindo importante no sábado (7). Ele era um dos jovens que estava recepcionando as cerca de 200 pessoas que foram prestigiar a inauguração da Casa Poética, em Ermelino Matarazzo, zona leste de São Paulo. 

“Eu estou feliz por ter mais um espaço desse na quebrada, que não precisa pagar entrada e tem atividade de graça”, explica. 

Há um ano, Luan integra o coletivo artístico e cultural ‘Mesquiteiros’, que é formado por jovens da região e que surgiu em 2009, na Escola Estadual Jornalista Francisco Mesquita, a partir da iniciativa do educador e escritor Rodrigo Ciríaco, 38.

Depois de uma década realizando oficinas de literatura e de teatro, além de eventos literários, o grupo agora têm sua própria sede, na Rua Miguel Rachid, na Vila Paranaguá.

A Casa Poética pretende ser um centro de referência para a literatura, com cursos, saraus, slams e encontros literários, além de disponibilizar livros para empréstimos.

“Quero colocar uma placa neste espaço com a frase ‘tudo isso aqui já foi um sonho’, porque quando achei a casa fiquei imaginando tudo: o que gostaria que tivesse na parede, o espaço infantil, a sala de vivências, a garagem artística, o jardim, a horta”, conta Ciriaco. 

“Estou muito emocionada”, diz a estudante de Relações Internacionais Jackeline Pires Linhares, 18. Ela mora perto da Casa Poética e é uma mesquiteira (como é chamado quem faz parte do coletivo) desde 2013, quando o projeto ainda funcionava apenas na escola. 

Inicialmente, ela se interessou pela parte mais performática e teatral, mas foi se apaixonando pela poesia.

Foi essa realização que fez com que a estudante Mirela Caroline, 16, decidisse continuar participando do grupo. “Quando a casa foi alugada eu vim aqui visitar pensando em sair do coletivo, mas decidi ficar ao ver onde os Mesquiteiros estão chegando, depois de tantos anos sonhando”, conta.

Ela observa que a maioria dos eventos culturais são voltados para adultos. Opinião compartilhada pela estudante Vitória Alves Cardoso Coutinho, 16, que enxerga a Casa Poética como um lugar para acessar cultura ainda em falta. 

“São poucos os lugares como esse e está tudo tão lindo. Creio que preciso desse espaço para ser uma pessoa intelectualmente melhor e para poder levar o que tenho para outras pessoas”, diz Vitória.