Mesma segurança e juros maiores são alguns dos motivos para abrir o leque de investimentos.

O PIB do Brasil cresceu. O país aumentou seu Produto Interno Bruto em 0,4% no segundo trimestre de 2019. Segundo o IBGE, que divulgou a pesquisa no último mês, isso ocorreu devido a ganhos na indústria e nos serviços. Apesar de baixo, esse crescimento foi acima do esperado e afastou a possibilidade de uma recessão técnica na economia nacional. As pessoas estão voltando a consumir, o dinheiro está voltando a girar. Assim, poupar dinheiro deixou de ser só um plano e voltou a ser realidade na vida dos brasileiros.

A Bolsa de Valores é um exemplo disto. Este ano, 20% dela voltou a ser ocupado por pessoas físicas. Pouco a pouco, a população deixa a insegurança de lado e utiliza outros métodos para investir seu dinheiro. Em abril, já estavam sendo contabilizados 1 milhão de investidores. No entanto, mesmo parecendo um número expressivo, não equivale nem a 0,5% dos brasileiros. No ano passado, 88% dos investidores ainda optavam pela poupança, pois tradicionalmente tem-se a ideia de que essa é a única forma segura de não perder dinheiro. Uesley Lima, especialista em Bolsa de Valores, explica que, caso a pessoa esteja investindo na poupança de algum banco e esta instituição entre em falência, existe o Fundo Garantidor de Crédito (FGC) que garante que não se perca o que foi investido. Esse fundo é privado, mas supre o total de R$ 250 mil por cliente.

Aí é que está a principal questão tratada pelo especialista. Erroneamente, acredita-se que apenas a poupança apresenta estabilidade e que qualquer forma diferente de investimento é um risco, quase uma certeza da perda de dinheiro. Mas, na verdade, CDB, LCI, LCA e assemelhadas possuem exatamente a mesma garantia da poupança. Então por que sair da poupança? Porque justamente esses outros produtos financeiros possibilitam um maior rendimento. Enquanto a poupança rende 4,2% ao ano, os demais chegam a 9%. “A gente vive no país dos juros, das maravilhas dos investimentos. Onde você coloca o seu dinheiro, ele cresce. Alguns investimentos são melhores do que outros, então comece a escolher melhor. E isso só vai acontecer na hora que começarmos a tirar esse medo enraizado do risco de perder dinheiro”, orienta Uesley