Célula reprodutiva foi encontrada em crustáceo no atual território de Mianmar, segundo publicação no periódico Proceedings of the Royal Society B.

Ilustração da reprodução dos ostracodes; após acasalamento, fêmea ficou presa em gota de âmbar, guardando o espermatozoide que foi revelado cerca de 100 milhões de anos depois — Foto: Divulgação/Dinghua Yang

Dentro da conchinha de um crustáceo cujo fóssil ficou escondido por 100 milhões de anos em um âmbar no território de Mianmar, paleontólogos encontraram o que, segundo eles, seriam os espermatozoides animais mais antigos de que se tem notícia.

Além de serem do período Cretáceo, as células reprodutivas masculinas encontradas se destacam por seu tamanho “gigante” em comparação com as de outras espécies — como os próprios seres humanos —, trazendo novas informações sobre diferentes estratégias de reprodução animal.

Os espermatozoides foram encontrados dentro do fóssil de um ostracode (classe de crustáceos) fêmea, que possivelmente acasalou antes de ser capturada pela resina de uma árvore (que forma o âmbar). O fóssil estava muito bem preservado, então foi possível, com a ajuda de raio-X 3D, reconstruir a anatomia do seu sistema reprodutivo. Os espermatozoides estavam armazenados em receptáculos, prontos para serem liberados quando os óvulos da fêmea amadurecessem.

A partir deste ostracode, a equipe internacional revelou também uma nova espécie, denominada Myanmarcypris hui.

As descobertas foram publicadas nesta quarta-feira (16/9) em artigo no periódico Proceedings of the Royal Society B.

Os ostracodes existem há pelo menos 500 milhões de anos, e milhares de espécies vivas hoje já foram descritas. Eles costumam ser encontrados nos oceanos, em lagos e rios.

Durante o Cretáceo e no território do que é hoje Mianmar, os ostracodes provavelmente viviam na costa e também na água doce, rodeados por florestas cujas árvores produziam grandes quantidades de resina. A nova espécie descrita foi um dos muitos organismos envoltos — e preservados — por gotas desta substância pegajosa.

Tanto que a província de Kachin tem revelado um impressionante conjunto de fósseis, incluindo sapos, cobras e um ser que cientistas ainda estão tentando concluir se era um dinossauro ou um lagarto. Nos últimos cinco anos, diversas novas espécies foram reveladas a partir de achados feitos ali.