Alunos de escola estadual venceram 2ª edição do App Legal, da Sapesp, com aplicativo que ajuda a identificar problemas de encanamento

A segunda edição do Projeto App Legal da Sabesp levou aos alunos da Escola Estadual Aroldo de Azevedo, em São Mateus, na zona leste de São Paulo, a experiência de criar uma startup (modelo de negócios inovador). O App Legal é um projeto no qual estudantes do ensino médio da rede pública devem projetar uma startup baseada em um aplicativo de celular que melhore a qualidade de vida e o meio ambiente na comunidade onde vivem.

Os vencedores desenvolveram ferramentas que ajudam cidadãos a resolverem problemas de encanamento e outro com orientações em casos de ocorrência de alagamentos. A ideia do App legal é que os estudantes desenvolvam o protótipo da ferramenta e seu modelo de negócio.

O projeto é desenvolvido pela Sabesp em parceria com a Secretaria Estadual de Educação. A iniciativa é realizada nas escolas localizadas no entorno do Programa Água Legal, que regulariza ligações de água em áreas de baixa renda, e visa incentivar a busca de soluções relacionadas ao meio ambiente urbano e a desenvolver competências empreendedoras dos jovens como criadores de tecnologia e não somente como usuários.

Na edição 2019, dois grupos da Escola Estadual Aroldo de Azevedo foram reconhecidos pela produção de aplicativos que ajudam a melhorar a qualidade do ambiente da comunidade onde vivem. A seleção ocorreu no começo de outubro. No total, sete equipes participaram da disputa.

Os dois primeiros colocados ganharam um tour de visitas a centros de tecnologia e inovação – como Google Campus, estação hack Facebook, Idexo, Distrito – e três meses de mentoria para o desenvolvimento efetivo de seus apps.

O grupo vencedor, a Startup Gambler, criou um aplicativo para ajudar os moradores a resolver problemas de encanamento dentro do imóvel. O objetivo é que o cidadão consiga solicitar um serviço de qualidade, de forma rápida e eficiente, sem que seja cobrado um valor abusivo e evitando desperdício de água. Assim, a população de baixa renda seria facilmente conectada aos técnicos credenciados pela Sabesp.

A segunda colocada foi a Startup Water Me. A equipe formada por cinco garotos criou um aplicativo para facilitar a vida de todas as pessoas que moram em São Paulo e sofrem com enchentes. A ideia é, a partir da localização da pessoa, mostrar os locais próximos onde há ocorrências de alagamentos, extravasamentos de rios, permitindo ao cidadão escolher um novo caminho.

No dia da seleção, os grupos tiveram quatro minutos para vender a ideia do projeto para análise de uma banca de jurados especialistas da Sabesp e da empresa que desenvolveu as oficinas para eles. A Consultoria Ideias de Futuro foi responsável por capacitar os alunos nos quatro módulos que antecederam a etapa final.

Engajamento social

Para a Coordenadora do Projeto pela Sabesp, Dirlene Diniz de Souza, o trabalho é uma oportunidade de apresentar aos alunos o que é empreendedorismo, estimular o aprendizado da tecnologia e a olhar para a própria comunidade buscando soluções que impactem positivamente o ambiente em que vivem. “Coordenar projetos que convergem para pessoas é um privilégio. Esse é um deles e é do coração, porque desenvolve jovens e oferece a eles novas oportunidades”, destacou.

Em 2018, a UGR Guarapiranga e UGR Interlagos participaram do projeto. A iniciativa vencedora foi um aplicativo voltado para a conscientização da importância do descarte correto do óleo de cozinha, que informa os pontos de coleta mais próximos em parceria com a Sabesp. Ele foi desenvolvido por quatro alunos da Escola Estadual Jardim Noronha, do bairro Grajaú.

Nas duas edições, 200 alunos e 70 professores de cinco escolas participaram do App Legal. No total, 30 projetos foram criados.