Três estudantes criaram um aplicativo chamado SafeGirl com o objetivo de ajudar mulheres a compartilharem informações sobre perigo de assédio em determinados locais. A proposta é que elas compartilhem a experiência que têm em cada local avaliando com diferentes graus de segurança relacionada a assédio.

“A plataforma serve para empoderar as mulheres, reduzindo o número de casos de violência, combatendo diversas formas de opressão e proporcionando um espaço de promoção e proteção dos Direitos Humanos”, comenta Mateus Bezerra da Silva, um dos criadores do app.

Ele, estudante da Universidade Federal do Amapá, juntou-se a Vitor Hugo Moraes e Brenda Sá, da Universidade Federal do Maranhão, para criar a ideia. Eles participaram do Campus Mobile, concurso de inovação e empreendedorismo do Instituto NET Claro Embratel, em parceria com a Associação do Laboratório de Sistemas Integráveis Tecnológico (LSI-TEC/USP) e com apoio da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo. O projeto tem como objetivo que incentivar a formação de talentos junto a alunos universitários e recém-formados para atuação no mercado de conteúdos e novos serviços de telefonia móvel.

Os estudantes agora querem aprimorar o produto com informações sobre serviços e descontos exclusivos para o público feminino, além de acesso a leis que protegem a mulher em casos de assédio.

O app foi finalista do Campus Mobile e concorre com outros dois projetos, que podem ser premiados com uma viagem para o Vale do Silício, na Califórnia. Os vencedores vão passar por uma imersão nas empresas de tecnologia da região, como a Google, Facebook e Twitter, o resultado sai no dia 6 de maio.

O SafeGirl é um aplicativo para Android e foi lançado oficialmente na sexta-feira (12), já disponível na Google Play. O App é gratuito.

Fonte: Canaltech