Com a presença de especialistas no tema, o principal foco do evento é debater a cultura machista para quebrar o ciclo de violência contra a mulher, como também de outros grupos vulneráveis. O seminário vai abordar ainda sobre discriminação, gênero, afetividade e ações afirmativas

A Secretaria de Desenvolvimento Social promove na segunda-feira (26/08) o 1º Seminário Estadual Sobre Masculinidades, violência, discriminação, gênero, novos paradigmas, afetividade e ações socioassistenciais. Realizado no  auditório da Secretaria Estadual dos Direitos da Pessoa com Deficiência, no Memorial da América Latina, na Barra Funda, o  seminário tem como finalidade debater a violência social e as relações de gênero, a partir do conceito de masculinidades, e reforçar as experiências exitosas de iniciativa do poder público e de iniciativas da sociedade, visando que nossa sociedade tenha uma cultura de paz. A abertura do seminário será feita pela secretária estadual de Desenvolvimento Social, Célia Parnes e pela subprocuradora Geral de Justiça, Lídia Helena Ferreira da Costa dos Passos.

O evento é gratuito e é voltado para os especialistas interessados no tema como psicólogos, assistentes sociais e para o público em geral. Dividido em cinco painéis, o seminário vai debater os seguintes temas.

Segue abaixo a programação.

9h20 – Abertura – Secretária estadual de Desenvolvimento Social, Célia Parnes

Subprocuradora-geral de Justiça, Lídia Helena Ferreira da Costa dos Passos

9h45 – Painel 1: Violência na sociedade e suas marcas de gênero

Participantes: Márcia Thereza Couto (Faculdade de Medicina/USP)/ Alexandre Coimbra Amaral (Lumus- Grupo de terapia para homens). É psicólogo do programa Encontro com Fátima Bernardes- da TV Globo/Suzana Muszkat (Psicanalista, membro efetivo e docente da Sociedade Brasileira de Psicanálise de São Paulo – SBPSP) 

10h45 – Painel 2: Masculinidades saudáveis

Participantes:  Ismael dos Anjos (jornalista/ pesquisador sobre masculinidades do site PapodeHomem)/ Agni (Fundador do projeto Diálogo Masculino)

11h30- Painel 3: Programas e Iniciativas Setoriais no Estado de São Paulo

ParticipantesAna Célia Lobo (Secretaria da Justiça e Cidadania)/Delegada Jamila Jorge Ferrari (Secretaria de Segurança Pública)/ Vivian  Dibi (Secretaria da Educação)/ Sylmara Del Zotto (Secretaria da Saúde)/Dra. Estefânia Ferrazzini Paulin (Ministério Público Estadual)/ Mario Porto (Corregedoria da Administração Geral- Grupo de Trabalho Combate ao Assédio Sexual)

14h – Painel 4: Violências na sociedade e suas marcas

Participantes: Viviana Santiago (Gerente de Gênero e Incidência Política na Plan Internacional Brasil). Tema: violência contra crianças e adolescentes. 

 Letícia Lopes (mestra em Ciências da Religião). Tema: FeminicídioLula Ramires (Filósofo, mestre e doutorando em Educação pela USP e ativista do movimento LGBT). Tema: Homofobia 

Neon Cunha (trans negra -ativista do movimento LGBT). Publicitária, ficou conhecida nacionalmente ao entrar com uma ação pedindo morte assistida, caso não fosse aprovada a mudança de seu nome civil. Em 2016, Neon se tornou a primeira mulher trans a mudar de nome e de gênero sem a exigência de laudo e sem realizar cirurgia de redesignação genital (mudança de sexo) 

Dr. Rodrigo Sérvulo Cunha (advogado, professor e militante em Direitos Humanos). Tema: Violência e os Direitos Humanos

15h30-Painel 5: Alternativas para a formação de homens não violentos

Participantes: Reginaldo Bombini (Atua como mediador de conflitos desde 2009 no Serviço de Mediação de Conflitos da Secretaria de Defesa Social da Prefeitura de Diadema. Criador do Programa “E Agora José?” – grupo socioeducativo para homens responsabilizados pela Lei Maria da Penha. Um dos coordenadores da Campanha Regional do Laço Branco: homens pelo fim da violência contra mulher no ABC Paulista)/ Sérgio Barbosa (professor universitário de Filosofia e Sociologia e também coordenador do projeto  Tempo de Despertar)/ Samuel Henrique – Coordenador do Centro de Referência Especializado de Assistência Social (CREAS) na cidade de Leme, interior de SP. Fundador da Igarapé Psicologia e Psicoterapia, grupo de psicólogos que realiza trabalhos voluntários no município de Leme/ Edson Marcelo – Psicólogo do CREAS de Presidente Prudente (interior de SP)  

“A Secretaria de Desenvolvimento Social tem como missão –  que nos foi confiada pelo governador João Doria – fortalecer a política de Assistência Social no Estado de São Paulo em parceria com os municípios e as Organizações Sociais para que tenhamos uma sociedade mais justa, mais humana, criando uma cultura de paz”, afirmou a secretária Célia Parnes.

Ela destacou que é necessário ampliar as ações de prevenção da violência na sociedade para  romper o ciclo da violência, viabilizar os canais de denúncia e ofertar  serviços especializados para o atendimento às vítimas, entre elas as mulheres e seus filhos.

Durante o seminário também foi destacado que é preciso reforçar  a atenção sobre os agressores com atendimento adequado para ajudá-lo a compreender a si  próprio, seus conceitos e atitudes.

Normalmente, são homens marcados por referências masculinas violentas, sem qualquer outro tipo de exemplo. São igualmente vítimas de um ciclo de violência vivido desde a infância.

“Acredito que a reflexão sobre a violência social e as relações de gênero, a partir do conceito de masculinidades, o conteúdo técnico dos especialistas, o reforço das experiências bem sucedidas e a participação do público com o debate só irão enriquecer ainda mais esse evento”, finalizou a secretária Célia Parnes.