Resultado de imagem para congresso

O líder do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), afirmou em entrevista ao programa GloboNews Política acreditar que o Congresso Nacional aprovará até junho de 2020 o conjunto de medidas econômicas entregue nesta semana pelo presidente Jair Bolsonaro.

Segundo o governo, são ações que podem melhorar as contas do governo, dos estados e dos municípios, simplificar procedimentos e estimular o crescimento da economia. Para o senador, se as medidas não forem aprovadas, não haverá mais espaço para investimentos.

A entrevista com o líder do governo vai ao ar nesta sexta-feira (8) na GloboNews, às 21h30.

“O Congresso Nacional surpreendeu entregando a maior reforma da Previdência da história do Brasil, e eu acredito que vai surpreender de novo aprovando até junho do próximo ano esse conjunto de medidas, que criará as condições de o Brasil deslanchar”, afirmou Bezerra.

O senador reconhece, porém, que há possibilidade de o Congresso modificar parte das medidas.

“Primeiro, é preciso deixar claro que o Congresso tem a iniciativa de destacar, de aprimorar, de modificar. O importante é destacar que o conjunto das medidas aponta no caminho certo. Essa é a mais importante reforma do Estado brasileiro, a mais importante reforma econômica do Brasil desde 1988. Eu não tenho dívida da aprovação”, acrescentou.

As medidas

O conjunto é composto por três propostas de emenda à Constituição (PECs). As medidas são uma revisão profunda do Estado e mudam a lógica dos gastos públicos.

Uma das PECs prevê a redução da jornada e do salário dos servidores da União, estados e municípios que entrarem em emergência fiscal.

Também há proposta de extinção dos municípios com menos de cinco mil habitantes. E dentro do pacto federativo, a ideia é repassar R$ 400 bilhões em 15 anos para estados e municípios após mudanças nas regras de redistribuição dos royalties do petróleo.

Questionado sobre as resistências às reformas econômicas, Bezerra foi enfático:

“Se você pegar o orçamento público federal, vai ver que 65% da receita do orçamento público federal vão para pagamento de salários ou então de pensões e de Previdência. Isso não pode continuar. Se a gente não corrigir agora, o orçamento para investimento no ano vindouro será zero. Não tem investimento”, concluiu.