Depois de passar a sua 1ª noite na cadeia, Temer deve prestar depoimento ainda hoje.

Surpreendidos com a decisão de Marcelo Bretas, que determinou que Michel Temer fique preso na PF do Rio, os policiais federais improvisaram uma sala no terceiro andar do prédio para acomodar o ex-presidente, relata O Globo.

Temer foi levado para uma sala padrão ocupada pelo corregedor-geral da PF do Rio, uma das poucas no edifício que têm banheiro privativo, ar-condicionado e frigobar. Uma cama foi providenciada às pressas. Ele e Moreira Franco devem depor ainda hoje (22).

O ex-presidente, descrito como “bastante abatido”, não quis jantar. Disse aos policiais que estava sem fome. A defesa diz que nada foi provado e recorreu ao Tribunal Regional Federal da 2ª Região, que pode julgar também nesta sexta o pedido de habeas corpus.

Após passarem a noite na Unidade Prisional da Polícia Militar, em Niterói, o ex-ministro Wellington Moreira Franco e João Batista Lima Filho, conhecido como coronel Lima, foram levados, na manhã desta sexta-feira (22), para prestar depoimento na sede da Polícia Federal do Rio de Janeiro. O ex-presidente Michel Temer, que também foi preso na mesma operação, mas passou a noite em uma sala na sede da PF, também deve depor.

Segundo os procuradores do Ministério Público Federal, que chegaram na sede da PF por volta das 11h, informaram que os depoimentos serão colhidos de forma separada.

Por volta das 11h20, o ex-ministro Carlos Marun chegou à sede da PF para tentar fazer uma visita ao ex-presidente Michel Temer. “Nesse momento, o que dizem procuradores e juízes não me interessa. Quero saber o que eles provam. Em momento algum eles conseguem provar alguma coisa que justifique uma prisão preventiva. Então, nós temos a mais absoluta convicção de que, em brevíssimo tempo esse incrível erro do judiciário será revisto e o presidente voltará à liberdade”, garantiu Marun, que alegou que é advogado e por isso possui prerrogativa para visitar o ex-presidente.