Catador que passava pelo local também foi atingido e morreu. Crime ocorreu em abril, quando 12 militares do Exército confundiram o carro da família com o de criminosos.

A Justiça Militar ouve, nesta segunda-feira (16), 12 militares do Exército suspeitos de matar duas pessoas, em Guadalupe, na Zona Norte do Rio, em abril deste ano durante uma ação de patrulhamento. O músico Evaldo Rosa estava indo para um chá de bebê quando o carro da família foi atingido por mais de 80 tiros disparados pelos militares. Evaldo morreu no local.

O catador de latas Luciano Macedo, que passava no momento dos disparos, também foi atingido e morreu dias depois no hospital. Essa vai ser a primeira vez que cada um dos acusados vai depor individualmente desde o início do processo.

Essa audiência já foi adiada duas vezes. A sessão será conduzida pela juíza federal da Justiça Militar Mariana Queiroz Aquino Campos. Todos os réus respondem ao processo em liberdade, após a concessão de habeas corpus pelo Superior Tribunal Militar (STM).

A versão dos militares é que eles teriam confundido o carro do músico com o de criminosos que haviam praticado um assalto nos arredores.

Carro de família foi alvejado por militares em Guadalupe, Zona Norte do Rio, no domingo (7) — Foto: José Lucena/Futura Press/Estadão Conteúdo
Evaldo era músico — Foto: Reprodução/Facebook
Carro é fuzilado pelo Exército no Rio, causando a morte do músico Evaldo Rosa, de 51 anos  — Foto: Reuters/Fabio Texeira