Causa da queda de edifício ainda é desconhecida e bombeiros indicaram que estavam trabalhando ‘com vários pacientes’

Pelo menos uma pessoa morreu depois que parte de um prédio residencial de 12 andares e 40 anos desabou nesta quinta-feira (24) em uma das principais ruas de Surfside, em Miami Beach, onde bombeiros trabalham para resgatar moradores ainda presos nos escombros.

O prefeito de Surfside, Charles Burckett, confirmou em uma entrevista coletiva que uma das primeiras pessoas resgatadas morreu ao chegar ao hospital e destacou que pode haver mais vítimas fatais, já que a parte leste do prédio desabou andar por andar e pode haver pessoas esmagadas entre as camadas.

Segundo Burckett, existem alguns apartamentos sobre cujos ocupantes ainda não se sabe nada, o que é um mau sinal.

Continua após o anúncio...

O desabamento parcial ocorreu por volta de 1h30 (horário local, 3h30 de Brasília) por causas que ainda serão investigadas.

A busca começou com cães no meio da madrugada, mas era “muito perigoso e estava muito escuro”, segundo Burkett, que descreveu o ocorrido como “chocante” e pediu agradecimento e respeito aos socorristas, que “arriscaram suas vidas”.

Segundo o prefeito, ainda não há elementos suficientes para determinar a causa do desabamento, mas ele descartou que tenha qualquer relação por ter sido construído há 40 anos.

Embora tenha indicado que estão sendo feitas obras na cobertura, Burckett não acredita que isso possa ter causado “algo que não costuma acontecer nos Estados Unidos”.

De qualquer forma, ressaltou que se teme que o prédio possa desabar completamente e opinou que, mesmo se não cair, certamente será demolido.

“Precisamos de respostas, apenas sabemos que um prédio caiu”, disse Burckett.

Muitas pessoas se reuniram nas proximidades do prédio, fora do cordão de segurança, como Santos Mejía, que disse à emissora “Local 10” que sua esposa, Janet Rodriguez, estava no prédio cuidando de uma pessoa de 95 anos e ligou para ele para dizer que sentiu um terremoto.

Ambas estão bem, como Santos Mejía soube ao telefone, mas ainda estão no prédio.

A argentina Jacquelina Patoka, dona de dois apartamentos no prédio desabado, explicou que um casal e sua filha de seis anos haviam se mudado na noite passada para uma de suas propriedades, que foram totalmente destruídas.

“Estou esperando um milagre”, declarou a mulher, visivelmente afetada e cansada, após procurar por suas amigas durante toda a noite nos hospitais e no centro para onde foram levados os sobreviventes desse colapso.

O prédio tem 130 apartamentos, mas não se sabe quantos estavam ocupados ou quantas pessoas estavam lá dentro quando uma parte completa da estrutura caiu, pois há muitos moradores que não vivem lá de forma permanente.

A equipe de resgate técnico do condado de Miami-Dade está trabalhando no local com a ajuda dos corpos de bombeiros de várias cidades deste setor de Miami.

Pessoas que moram em prédios vizinhos disseram que ficaram com medo ao ouvir o que parecia ser uma explosão.

“Foi como se pedras caíssem e depois começaram a cair faíscas da parede. Acordei nervoso com toda essa tragédia. Foi bastante feio, na verdade”, disse Armando Roig, que mora ao lado do prédio colapsado, à emissora “Notícias 23”.

Alguns prédios e casas ao redor do local do desabamento estão sem energia, enquanto vários caminhões da empresa FPL estão trabalhando para restaurar o serviço.

Fonte: R7