Segundo o ministro da Economia, as pessoas destroem o meio ambiente ‘porque precisam comer’.

Ministro da Economia, Paulo Guedes, participa do Fórum Econômico Mundial, em Davos. — Foto: Bianca Rothier/GloboNews

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta terça-feira (21), durante sua participação em painel no Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça, que “o pior inimigo do meio ambiente é a pobreza”.

“As pessoas destroem o meio ambiente porque precisam comer”, disse Guedes durante discussão sobre o futuro da indústria. “Eles têm todas as preocupações que não são as preocupações das pessoas que já destruíram as suas florestas, que já lidaram com suas minorias étnicas, essas coisas”, completou, em uma ‘alfinetada’ aos países desenvolvidos.

O ministro também afirmou que “todos precisamos de mais alimentos”, mas que, dependendo dos produtos químicos necessários para produzir mais alimentos, “você não tem um meio ambiente limpo”. “E essa é uma solução política. Não é simples, é muito complexa”, afirmou.

Segundo Guedes, o “primeiro nível” de preocupações no Brasil é remover o ambiente hostil para negócios em geral, “receber e recolocar todo esse conhecimento já disponível em todo o mundo” sobre inovação na indústria. “Em um país como o Brasil, estamos um pouco para trás. Para não dizer muito para trás”, afirmou.

“O povo quer ter as indústrias e os empregos. E ao mesmo tempo há uma pressão enorme para manter ‘verde’. É um equilíbrio delicado, mas estou certo de que vamos conseguir”, concluiu.

Futuro da indústria

Durante o painel, Paulo Guedes afirmou que o Brasil foi “deixado para trás” na indústria do futuro. “Perdemos essa grande onda de inovação e globalização”, disse. Para o ministro, a mudança do trabalho “com as nossas mãos” para o trabalho “com as nossas mentes” vai levar um tempo, “mas estamos correndo atrás”.

Segundo o ministro, a indústria do futuro será centrada nas pessoas, com valorização do talento e da criatividade. E o papel do governo, de acordo com ele, não é inovar, mas garantir que haja um ambiente de negócios e acadêmico que permita apropriar o conhecimento existente.