Moradores em situação de rua podem procurar os serviços espontaneamente; população também pode ajudar acionando a Central 156

A rede de Centros de Acolhida, administrados pela Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social (SMADS), por meio de parceria com organizações sociais, já registrou mais de 300 mil acolhimentos (uma mesma pessoa pode ser atendida em todos os dias de operação e entrar várias vezes na soma) entre o dia 22 de maio, início da Operação Baixas Temperaturas, e o dia 15 de junho. Nesse mesmo período, foram realizados 3.831 atendimentos no período de plantão (noite e madrugada) da Coordenação de Pronto Atendimento Social (CPAS), que pode ser acionada via Central 156.

A Operação segue até o dia 20 de setembro e é intensificada sempre que a temperatura atinge um patamar igual ou inferior a 13º ou sensação térmica equivalente e, assim como acontece em todas as estações do ano, os orientadores socioeducativos que atuam nos Serviços Especializados de Abordagem Social (SEAS) fazem as abordagens em pontos estratégicos da cidade, das 8h às 22h, ofertando encaminhamentos para rede de acolhimento e outros serviços da rede socioassistencial.

Desde o início da Operação, as equipes do SEAS já realizaram 29.791 abordagens (uma mesma pessoa pode ser abordada várias vezes), que resultaram em 12.874 encaminhamentos para serviços de acolhimento.

No período das 22h às 8h, a abordagem é realizada pela Coordenadoria de Pronto Atendimento Social (CPAS), que deve ser acionada via Central 156, mas os moradores em situação de rua também podem procurar os serviços espontaneamente. Caso o local procurado já tenha a sua ocupação total preenchida, os profissionais que atuam nos serviços deverão prestar o primeiro atendimento, protegendo-os do frio enquanto articulam uma vaga na rede de acolhimento do município.

Atualmente, a SMADS tem 148 serviços para população em situação de rua e aproximadamente 22 mil vagas, sendo 18.411 de acolhimento. A rede também conta com 128 Serviços de Acolhimento Institucional para Crianças e Adolescentes (SAICAs), que juntos disponibilizam 2.335 vagas. Para a operação foram aditadas vagas emergenciais, sendo 20 para SAICAs e 260 para a população de rua.

Nos Centros de Acolhida, a população em situação de rua tem acesso ao acolhimento, com camas, cobertores, travesseiros, pode tomar banho (recebe um kit de higiene), tem acesso as refeições (café, almoço e jantar), além de receber o atendimento social e ser encaminhado para outras políticas públicas como equipamentos de saúde e a Defensoria Pública de acordo com a demanda de cada um.

Apoio da população

A população também pode ajudar as pessoas em situação de rua solicitando uma abordagem social por meio da CPAS, que funciona 24 horas por dia, e pode ser acionada pela Central 156.

A solicitação de abordagem pode ser anônima, mas é importante ter as seguintes informações para facilitar a identificação:

– O endereço da via em que a pessoa em situação de rua está (o número pode ser aproximado);

– Citar pontos de referência;

– Características físicas e detalhes de como a pessoa a ser abordada está vestida.

Fonte: Secretaria especial de Comunicação da PMSP