Por: Henrique Santos.

Considerado o segundo maior parque da região metropolitana de São Paulo, o Parque do Carmo é apreciado por muitos como uma ótima opção de lazer para as famílias. Principalmente, para quem mora nos bairros na zona leste da capital e localidades adjacentes. Entretanto, quando o assunto é manutenção do patrimônio, o local está aquém de ser uma referência.

De pequenos aos grandes problemas, a área verde de 1,5 milhão de metro² não está recebendo a atenção necessária. Isto porque apresenta quadros abandono como, por exemplo, as pistas de caminhas comprometidas e intransitáveis por conta dos buracos. Além dos quiosques com churrasqueiras de alvenaria que estão totalmente destruída e, em alguns casos, sem condição de uso.

Imagem relacionada
Foto: Churrasqueira destruída – (Imagem de Reprodução)

Ainda na apuração do ‘Acontece Agora’, a maior parte da deterioração ocorreu em razão do tempo. Este é o caso das madeiras das pontes que, basicamente, estão podres e se soltam. O que, consequentemente, tem feito os visitantes evitarem usa-lás.

O público de todas as faixa etárias é prejudicado por esta falta de manutenção da gestão municipal. Porém, as crianças são as mais expostas já que há brinquedos quebrados, enquanto outros estão enferrujados e precisando pintura.

Outra reclamação frequente é a falta de bebedouros em boas condições de higiene e funcionamento. Os frequentadores acabam se rendendo aos comerciantes nos entornos, para tomar água e se refrescar nos dias mais quentes. Tudo isto, porque os jatos são fracos para beber nos “equipamentos”, ou pior, não há água.

Os banheiros seriam suficientes para os cerca de 10 mil visitantes que o Parque do Carmo recebe semanalmente em média. Pelo menos, na teoria, pois, na prática, diversos estão fechados. Dependendo da sua escolha, você encontrará a porta trancada com um cadeado.

Imagem relacionada
Foto: Banheiro trancado – (Imagem de Reprodução)

Parceria Público-Privada

O Parque do Carmo consta na lista de logradouros públicos com pretensões para ser privatizado. A proposta surgiu desde o ex-prefeito e atual governador de São Paulo, João Dória (2017). Na época, a Prefeitura não foi feliz em seus planos, uma vez que o edital da concessão não seguiu em frente.

Burocracias e outros entraves, levaram este problema até o novo tucano à frente do poder executivo da cidade, Bruno Covas. O assunto de buscar uma parceria publico-privada voltou a ser discutido em janeiro deste ano. Além do Parque do Carmo, outras 14 áreas verdes também carecem de uma intervenção urgente.

O valor previsto para o investimento nos parques gira em torno dos R$167 milhões. Entretanto, não há uma data certa para afirmar que a pauta deixará o papel e se tornará realidade.

Outro Lado

Por meio de nota, a Prefeitura de São Paulo informou que a manutenção dos buracos nas pistas de caminhadas serão iniciados nesta semana. Além disso, os banheiros fechados reabertos em, no máximo, duas semanas.

Referente a falta de água em bebedouros, a resposta foi que houve um rompimento nos canos d’águas responsáveis pela distribuição, ocasionado por uma infelicidade durante obras de canalização pluvial.

Não deixe de participar do ‘Acontece Agora’, comentando e enviando as suas denúncias ao nosso portal.

Fonte: As informações são da redação do portal de notícias ‘Acontece Agora‘.