Operação investiga desvios de recursos do Fundeb e do Pnate em superfaturamento de contratos de transporte escolar. Em nota, a Seduc declarou que está colaborando com as investigações.

A Polícia Federal realizou buscas na casa do governador Wellington Dias (PT), em empresas e casa do irmão da deputada federal e ex-secretária de educação, a primeira-dama Rejane Dias (PT), e na sede da Secretaria Estadual de Educação (Seduc)para investigar a suspeita de um esquema criminoso para fraudar licitações de transporte escolar.

Segundo a PF, servidores públicos e empresários teriam se associado para superfaturar contratos de transporte escolar. A Polícia Federal não esclareceu quais as suspeitas que recaem sobre o governador ou sobre os irmãos de Rejane Dias. Em nota, a Seduc declarou que está colaborando com as investigações.

O trabalho aconteceu na manhã desta segunda-feira (27), e é a terceira fase da Operação Topique, investigação iniciada ainda em 2018. Os mandados foram cumpridos em endereços em Teresina e em Brasília.

Policia Federal faz buscas na sede da Secretaria Estadual de Educação do Piauí, em Teresina — Foto: Polícia Federal

Segundo a Policia Federal, o governo do estado continuou contratando as empresas suspeitas, mesmo depois das fases anteriores da investigação.

De acordo com a PF, entre os anos de 2015 e 2016, servidores da cúpula administrativa da Seduc teriam se associado a empresários do setor de locação de veículos e desviado, no mínimo, R$ 50 milhões de recursos do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica – Fundeb – e do Programa Nacional de Apoio ao Transporte Escolar – PNATE.

O dinheiro teria sido desviado através de pagamentos superfaturados em contratos de transporte escolar. O resultado prático, que chegava até os estudantes, era um transporte escolar sem qualidade e segurança.

Leia abaixo a nota da Seduc:

A Secretaria de Estado da Educação do Piauí (Seduc) informa que está colaborando plenamente com a investigação em curso da Polícia Federal e sempre se colocou à total disposição dos órgãos de controle para esclarecer quaisquer questionamentos, visando a transparência e o correto funcionamento da administração pública.