Bancos e tablados ficarão disponíveis aos sábados e domingos e serão retirados em dias úteis. Medida terá caráter experimental com o objetivo de tornar o local mais seguro e acessível à população

A Prefeitura de São Paulo iniciou neste sábado (01/05) a instalação de bancos e tablados no Elevado Presidente João Goulart (Minhocão) aos finais de semana. A iniciativa acontece nos trechos acima do Terminal Amaral Gurgel e da Praça Marechal Deodoro e terá caráter experimental num primeiro momento.

 O mobiliário tático ficará disponível aos sábados e domingos e será retirado em dias úteis, quando a via é aberta ao tráfego de veículos. A ação, realizada por meio da Secretaria Municipal de Urbanismo e Licenciamento, será acompanhada da abertura de dois novos Centros Abertos que terão ligação, por meio de escadas, à parte superior do Elevado.

Continua após o anúncio...

 O objetivo é tornar o local mais seguro e acessível à população. Em princípio, trata-se de uma medida experimental por tempo indeterminado e que será monitorada pela Prefeitura para avaliar a receptividade dos equipamentos pela população.

 A iniciativa segue o conceito de urbanismo tático, que busca fazer com que a população se aproprie de determinados espaços urbanos a partir de mudanças rápidas, reversíveis e de baixo custo. O método já foi aplicado com sucesso em diversos locais do mundo, como Dinamarca, França, Espanha (Barcelona), Colômbia (Bogotá) e em Nova Iorque, por exemplo, na Times Square.

 A valorização de espaços de convivência ao ar livre é uma das mudanças de comportamento nas cidades decorrentes da pandemia. Qualificar cada vez mais esses espaços urbanos é um dever dos gestores públicos diante da mais grave crise sanitária.

 A maior parte do mobiliário instalado é de assentos para acomodar e oferecer mais conforto às pessoas. Trata-se de modelos dinâmicos, que poderão ser dispostos de diversas maneiras para atender melhor o público.

 Os locais não foram escolhidos aleatoriamente. Por apresentarem áreas movimentadas e com poucas opções de assentos, lazer e possibilidades de transformação, a Praça Marechal Deodoro e o Terminal Amaral Gurgel – situados na parte inferior do Elevado – receberam, no final de 2020, unidades do Programa Centro Aberto. Ele proporciona espaços de convivência com bancos, mesas de piquenique, brinquedos e equipamentos de ginástica.

O custo estimado para a implantação dos mobiliários na parte superior e inferior do Minhocão foi de R$ 1,8 milhão.

 A operação e coordenação do Centro Aberto no Minhocão é feita pela SPTuris, a São Paulo Turismo. O trabalho inclui montagem e desmontagem do mobiliário urbano e dos equipamentos de lazer.

 No local, a Secretaria Municipal da Saúde (SMS), por meio da Coordenadoria Regional de Saúde (CRS) do Centro também promove uma ação educativa de prevenção a Covid-19. Será montada uma tenda com uso de banners e faixas com frases para conscientização da população: “A pandemia não acabou” e “A Covid-19 mata”, além da oferta de álcool em gel para higienização das mãos e distribuição de máscaras aos participantes do evento.

 Urbanismo Tático

No Elevado João Goulart, a iniciativa decorre de uma demanda por parte dos frequentadores do local que, aos finais de semana, já se apropriam do espaço mesmo sem essas melhorias.

 O Minhocão é fechado para o tráfego de veículos aos fins de semana e feriados durante todo o dia e, em dias úteis, das 20h às 7h. O uso do Elevado pela população segue as regras de reabertura da cidade dispostas no Plano SP, do Governo do Estado.

 Novos acessos

Para conectar os novos espaços de convívio dos Centros Abertos da Amaral Gurgel e Marechal Deodoro ao tabuleiro (parte de cima) do Elevado, a Prefeitura concluiu neste mês de abril a instalação dos dois primeiros acessos de pedestres no Minhocão. São escadas de estrutura metálica que funcionarão, em princípio, por até 24 meses. Paralelamente, a Prefeitura está estudando as condições para instalação de outros acessos definitivos ao longo do Elevado.

 Além dos acessos e novos espaços de lazer, a Prefeitura finalizará neste mês de maio a instalação dos gradis de segurança na parte de cima do Elevado. O Município também já instalou portões de controle de acesso como forma de garantir a segurança dos frequentadores nos horários de abertura aos pedestres, a partir das 20h de segunda a sexta e durante os finais de semana. Todas essas medidas de segurança foram implementadas a partir das recomendações do Ministério Público.

Histórico do Minhocão

O destino do Elevado João Goulart vem sendo objeto de discussão desde os anos 70, quando foram iniciadas as rotinas de sua interdição ao tráfego veicular no período noturno. A consideração do impacto que o resultado dessa discussão teria sobre o cotidiano de grande número de munícipes fez com que o Plano Diretor Estratégico (PDE), aprovado em 2014, tratasse desse tema, prevendo uma lei específica a ser elaborada para determinar a gradual restrição ao transporte individual motorizado no Elevado, definindo prazos até sua completa desativação como via de tráfego, tendo como alternativas a demolição ou a transformação, seja parcial ou integral, em parque.

 Essa determinação foi atendida com a aprovação da Lei Municipal nº 16.833, de 7 de fevereiro de 2018, que estabeleceu a desativação gradativa do elevado como via de circulação veicular, o estímulo à realização de atividades culturais e esportivas nos períodos de interdição ao tráfego e a obrigatoriedade de propor a transformação parcial ou total do elevado em parque por meio de um Projeto de Intervenção Urbana (PIU).

 A Prefeitura realizou em 2019 a primeira etapa de discussão do PIU Minhocão, quando foi apresentado à população um diagnóstico preliminar da área objeto de intervenção e recolhidas contribuições da sociedade civil. Essa consulta inicial foi utilizada para subsidiar a Prefeitura na decisão de autorizar o prosseguimento dos estudos, considerando a adequação da proposta à política de desenvolvimento urbano do Município.

Ao considerar as contribuições recebidas, a Prefeitura de São Paulo deu continuidade ao projeto, determinando que sejam estudadas durante seu desenvolvimento, com auxílio da população, as hipóteses apontadas pelo Plano Diretor. Esse estudo está em andamento.

Imagem:Joel Nogueira/Fotoarena/Divulgação