Presidente afirmou durante inauguração de estrada no Rio Grande do Sul que “essa verdadeira indústria de multa que existe no Brasil” é uma “roubalheira”.

O presidente Jair Bolsonaroafirmou nesta segunda-feira, durante uma participação na inauguração de obras de duplicação da rodovia BR-116 em Pelotas, no Rio Grande do Sul, que o Brasil não terá mais radares móveis a partir da semana que vem. Na chegada ao Palácio do Alvorada, após voltar da viagem, Bolsonaro voltou a dizer que os “pardais” serão suspensos e que o instrumento, operado pela Polícia Rodoviária Federal (PRF), funciona como uma “pegadinha” palava-jatpa os motoristas.

— Vamos suspender os radares móveis até que haja um entendimento para que se convença a população que deve ser utilizado. O sentimento de todos com quem tenho conversado, em especial os caminhoneiros, é que funciona como uma pegadinha em muitos casos. A partir de segunda-feira (a suspensão dos radares móveis) — disse Bolsonaro ao chegar ao Palácio da Alvorada.

O presidente negou que os radares móveis, usados para identificar e multar os motoristas que trafegam acima dos limites de velocidade, funcionem como um mecanismo de segurança:

— Nada a ver (com segurança). É caça-níquel e, geralmente, é no retão e depois de uma descida. Tem levado insatisfação, não só a caminhoneiros, a motoristas de maneira geral. Não deu certo isso aí, já saturou, cansou esse negócio. Chega de o Estado ficar em cima do povo — afirmou Bolsonaro.

Nesta manhã ele já havia dito que a partir da próxima semana não haverá mais radares móveis no Brasil.

— Estou com um briga, juntamente com o Tarcício (ministro da Infrasestrutura), na Justiça para acabarmos com os pardais no Brasil. Essa máfia de multa que vai para o bolso de alguns poucos aqui nessa nação. É uma roubalheira essa verdadeira industria de multa que existe no Brasil. Anuncio para vocês que a partir da semana que vem não teremos mais radares móveis no Brasil. Essa covardia de ficar no “descidão”, no final de um retão, alguém atrás de uma árvore para multar você não existirá mais — afirmou o presidente.