Em 23 de março de 1957, com a participação da orquestra e Coral do Município de São Paulo, sob a regência do maestro Zacharias Autuori, foi inaugurado em Santo Amaro, ainda na Subprefeitura da cidade de São Paulo, o Teatro Paulo Eiró. O nome foi uma homenagem ao poeta, escritor, dramaturgo e professor Paulo Eiró, um dos mais importantes artistas de Santo Amaro, 

De arquitetura moderna, originalmente comportava 801 lugares e foi projetado pelo arquiteto Roberto Tibau. Em 1968 foi realizada uma homenagem ao poeta Paulo Eiró, sendo instalado em frente ao edifício um painel de autoria do escultor Júlio Guerra. Com 18 metros de largura e 5 metros de altura, a obra é intitulada Homenagem às Artes. Além de sua relevância cultural para o bairro de Santo Amaro, o teatro é considerado um marco da arquitetura moderna paulistana. Desde 1992 o edifício é tombado pelo Conpresp, reconhecendo assim seu valor histórico, cultural e arquitetônico. 

Palco de grandes espetáculos, como o clássico “Eles Não Usam Black- Tie” e de artistas consagrados, como Paulo Autran, Fernanda Montenegro, Dercy Gonçalves, Gianfrancesco Guarnieri, Edson Celulari, Denise Fraga, Sérgio Mamberti, Maria Alice Vergueiro, Fúlvio Stefanini, Elza Soares, Os Demônios da Garoa, Zeca Baleiro, Fafá de Belém, o espaço é uma referência não só para os moradores da região, mas também para a cidade de São Paulo.

Reinauguração do Paulo Eiró

No dia 04 de dezembro de 2020, o Teatro Paulo Eiró foi reinaugurado com uma intervenção artística na Praça, dirigida pelo então Diretor dos Teatros e Centros Culturais, Pedro Granato, com Ofisa, Cia.Paideia e diversos artistas performático, como: Nina Vogel , Ciclistas Bonequeiros e Caixa Mágica… A programação seguiu online até o dia 20 de dezembro, com destaque para o espetáculo “Farinha com açúcar ou sobre a sustança de meninos e homens” , de Je Oliveira, que se apresentou ao vivo para uma “pequena plateia presencial” e apresentações online. Tudo como parte da programação da  Virada Cultural. Na ocasião também se apresentaram a Cia. Gumboot Dance Brasil com o espetáculo de dança  “Subterrâneo”,  espetáculos infantis online e debates com artistas e profissionais das artes, como parte da programação do Festival da Infância e da Juventude.

Por conta da fase vermelha decretada pelo Governo do Estado, o Teatro Paulo Eiró não teve programação em torno de seu aniversário.

O Teatro Paulo Eiró

Palco de grandes espetáculos em sua trajetória, é um pólo cultural de grande relevância na Zona Sul de São Paulo. A OFISA (Orquestra Filarmônica de Santo Amaro) , é residente do Teatro Paulo Eiró, realizando  concertos com sucesso de público, tornando-se uma das atrações que encantam a comunidade, como “ O  Concerto de Cinema da Ofisa. Os concertos são apresentados sempre aos domingos, 11h, com preços populares porque a orquestra, que conta com 50 (cinquenta) músicos, de todas as classes sociais e idades, não tem patrocinador. Os espetáculos são gratuitos ou a preços populares. O Paulo Eiró é o segundo maior teatro distrital da cidade de São Paulo, com 468 lugares e é mantido pela Secretaria Municipal de Cultura.

“Em 2021, em decorrência da pandemia Covid-19, funcionamos apenas para gravações dos espetáculos para transmissão online, Como “Bambaquerê” da Cia Corpo Molde e “180 Dias de Inverno” da Cia. Coletivo Binário” .respeitando todos os protocolos com distanciamento social e equipes reduzidas”, informa o coordenador do Teatro Paulo Eiró, Geondes Antônio

Neste momento, o Hall do Teatro Paulo Eiró é palco para a vacinação do Covid-19, o que emociona toda a equipe, porque o teatro sempre esteve presente em todos os momentos históricos da sociedade.

“Estamos aguardando as diretrizes dos protocolos do Governo do Estado, sobre a Covid-19 para continuarmos as nossas atividades. O nosso ofício só pode ser exercido quando existem pessoas no palco e na plateia. Aguardamos o momento para abrimos as cortinas e abraçarmos o público, nossa razão de existir”, finaliza Geondes.