Novos veículos apresentados pela Prefeitura já estão em circulação, contribuindo para reduzir a emissão dos gases de efeito estufa (GEE)

Já estão circulando 15 novos ônibus elétricos pela linha 6030/10 Unisa-Campus1/ Terminal Santo Amaro, na Zona Sul. Os veículos da empresa Transwolff Transportes e Turismo são equipados com a tecnologia NFC (sigla do inglês Near Field Communication), que permite o pagamento digital da tarifa por meio de cartões de débito ou crédito, smartphones e smartwatches.

A Secretaria de Mobilidade e Transportes da Prefeitura de São Paulo seguiu duas exigências importantes do prefeito Bruno Covas: a origem da eletricidade, que deveria vir de uma fonte de energia limpa (neste caso, é captada de uma fazenda solar no interior); e o seu custo, que deveria ser compatível com o do diesel usado nos ônibus. O prefeito ressaltou, ainda, a possibilidade desse custo cair no futuro e refletir-se no valor da tarifa.

Autonomia

Os ônibus conseguem rodar até 250 km com apenas uma recarga, praticamente o percurso utilizado ao longo de todo o dia, retornando à garagem somente à noite. Os modelos, totalmente elétricos, BYD D9W, são movidos a bateria e possuem área para cadeira de rodas, rampa de acesso, piso baixo, Wi-Fi, USB e ar-condicionado.

A iniciativa pode ser enxergada como um caminho tomado pela Prefeitura para mudar a situação apresentada pela  Organização das Nações Unidas (ONU). A entidade afirma que se não forem tomadas iniciativas imediatas, a temperatura no mundo pode subir de 3 a 5 graus Celsius. Esse valor é bem maior do que o percentual de 1,5º C proposto pelo Acordo de Paris, do qual o Brasil é signatário.