Resultado de imagem para sarampo

Vacinação estava prevista para terminar nesta sexta-feira (16), mas aumento no número de casos e baixa cobertura vacinal do público-alvo motivou adiamento.

A Prefeitura de São Paulo decidiu prorrogar a campanha de vacinação contra sarampo para jovens de 15 a 29 anos e bebês de 6 meses a um ano de idade até o dia 31 de agosto. A recomendação é de que todos que estão no público-alvo se imunizem, independentemente de já terem tomado as duas doses da vacina anteriormente.

A decisão de prorrogar a campanha, que estava prevista para terminar nesta sexta-feira (16), se deu por conta da baixa cobertura vacinal no público-alvo e do aumento do número de casos da doença.

A campanha começou na capital no dia 10 de junho. Mas até esta quinta-feira (15), a cobertura só atingiu 35,4% dos jovens de 15 a 29 anos e 41,3% dos bebês de 6 meses a um ano, segundo a Secretaria Municipal de Saúde.

O estado de São Paulo teve aumento de 36% dos casos da doençaapenas na última semana. Dos 1.319 casos confirmados, 997 se concentram na capital, o que representa 75,5%.

Desde o início da campanha, a vacina está sendo oferecida nas Unidades Básicas de Saúde e em postos volantes montados em áreas de grande circulação como estações de trens, metrô e terminais de ônibus, além de creches, escolas e universidades.

A secretaria também realiza as ações de bloqueio quando há notificação de casos suspeitos, com objetivo de interromper a transmissão da doença, independente da confirmação do diagnóstico. Os bloqueios são desencadeados na residência do paciente e em locais frequentados por ele, como escola ou trabalho. Neste ano, foram realizadas mais de 3 mil ações do tipo em toda a cidade, segundo a pasta.

Campanha no estado

Além da capital, outras 49 cidades registraram casos da doença no estado. A Secretaria Estadual de Saúde também decidiu estender a campanha para bebês nestas cidades.

A relação dos municípios com essa recomendação será atualizada semanalmente, com base na situação epidemiológica.

A dose extra destinada aos bebês (chamada de dose “D”) não substitui as duas doses de rotina que devem constar na caderneta de vacinação.

Após a aplicação na campanha, os pais ainda devem levar a criança para se vacinar normalmente com a tríplice viral — que protege contra sarampo, rubéola e caxumba– aos 12 meses de idade, como prevê o calendário. O mesmo deve ser feiro aos 15 meses para aplicação do reforço com a tetraviral, que protege também contra varicela.

O Ministério da Saúde também recomenda que todos os bebês de 6 meses a um ano que vão viajar para cidades com surto da doençadevem tomar a vacina pelo menos 15 dias antes da viagem. (Veja as cidades com surto da doença no país)

Explosão de casos em São Paulo

O número de casos de sarampo em São Paulo em 2019 já é o maior registrado em duas décadas, segundo dados da secretaria. Durante muito tempo, apenas casos pontuais e importados de outros locais foram registrados no estado. Desde a década de 90, os registros só ultrapassaram a casa do milhar em 1997, quando um surto da doença provocou 23,9 mil casos.

Casos no Brasil

Segundo último balanço divulgado pelo Ministério da Saúde, quatro estados apresentam surto de sarampo em 2019. Dos 1.388 casos confirmados, 1.322 deles (95,2%) ocorreram em São Paulo, Rio de Janeiro, Bahia Paraná. O restante, 66 infecções (4,8%), ocorreram nos outros estados do Brasil. (Veja a lista completa com as cidades brasileiras com casos de sarampo)

As últimas onze semanas epidemiológicas apresentaram uma disparada no número de casos confirmados, intensificada pelo estado de São Paulo. Durante este período, 1.226 novos pacientes com a doença foram recebidos pelas unidades de saúde, sendo que 1.220 eram infecções ocorridas em território paulista.

O sarampo é uma doença extremamente contagiosa causada por um vírus do gênero Morbillivirus, da família Paramyxoviridae. A transmissão pode ocorrer por meio da fala, tosse e/ou espirro. O quadro de infecção pode ser grave, com complicações principalmente em crianças desnutridas ou com sistema imunológico debilitado.Entenda as complicações do sarampo