Fernando Haddad foi prefeito da cidade de São Paulo por apenas um mandato, pois quando tentou se reeleger acabou perdendo para João Dória, que hoje conseguiu se tornar o governador do estado de São Paulo, em uma disputa acirradíssima com Márcio França.

Haddad, nas últimas eleições, tentou um cargo ousado. O ex-prefeito de SP foi concorrente direto contra Jair Bolsonaro na presidência da República. O ideal do Partido dos Trabalhadores (PT) era que Haddad fosse vice-presidente e Lula o candidato à presidência.

A ideia do PT foi barrada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e Haddad foi o candidato à presidência. Com o apoio de Lula, o ex-prefeito de SP chegou ao Segundo Turno das eleições presidenciais.

Entretanto, a força de Bolsonaro acabou derrotando o PT. Com isso, Haddad aceitou a derrota agora ficando sem nenhum cargo na política, por mais que tenha se tornado um forte nome dentro do PT.

O professor e ex-ministro da Educação conseguiu um emprego inusitado após perder as eleições, o de trabalhar na Folha de São Paulo. O ex-candidato à presidência ganhou uma coluna vertical na página A2, substituindo o cientista político André Singer.

Haddad foi escolhido por ter uma grande popularidade comprovada com 47 milhões de votos no Segundo Turno de 2018. O professor contou, à própria Folha, que falará sobre a situação atual do país, diferente do que seria o objetivo original da coluna que é abordar o desenvolvimento humano. Contudo, para o petista, a situação do país afeta diretamente esta área e deverá ser o foco de sua coluna dentro da Folha.