No momento em que o trabalho causa exaustão constante, stress elevados, ansiedade e angústias ele pode ser fonte de uma síndrome chamada burnout (esgotamento, em inglês). No mês passado, a OMS (Organização Mundial de Saúde) oficializou a doença com síndrome crônica e trouxe para o debate questionamentos sobre como estamos vivendo as profissões atualmente. Pesquisa divulgada pela OMS mostrou que mais de 33 milhões de brasileiros são afetados por este distúrbio.

O Sintomas manifestam-se cotidianamente em atitudes como irritabilidade, pessimismo, mudança brusca de humor, isolamento, baixa auto-estima, profunda tristeza em ter de trabalhar e apatia. Que fisicamente causam dores de cabeça, cansaço constante, alterações no sono e no apetite e falta de ar.

O diagnóstico da doença é feita por psicólogos ou psiquiatras, levando em conta o histórico da pessoa e o contexto em que ela vive. Entretanto, para um diagnóstico certeiro é preciso o envolvimento do profissional e tempo para avaliação do paciente. Ao notar que os sintomas citados nesta matéria se prolongam e intensificam, é aconselhável procurar ajuda de um profissional. Muitas pessoas não procuram tratamento por acharem que a situação é algo normal, fruto do dia a dia em que vivemos.

por: Josué Emidio