por: José Roberto Azambuja

Nesta Terça-feira (30/07), depois que o país amanheceu perplexo ao assistir setores da Imprensa tradicional e da oposição aventarem a possibilidade de impeachment do presidente da República por causa de suas falas —e não por suas ações— foi apresentado o pedido de cassação de outra autoridade brasileira: do presidente do STF, Dias Toffoli.
Nenhuma surpresa em ver a menção a um #impeachment de Jair Bolsonaro liderar as citações no Twitter. O Brasil já se acostumou a ver esta mesma oposição —formada pelo PT e seus partidos satélites— pedindo “Fora Sarney”, “Fora Collor”, “Fora Itamar”, “Fora FHC”, “Fora Temer”… Só não houve —será por que?— pedidos de “Fora Lula” e “Fora Dilma”.
Portanto, nenhuma novidade!
É de conhecimento público o fato de que um “Fora Bolsonaro” vem sendo ensaiado antes mesmo de sua posse, por aqueles que têm RESISTÊNCIA ao resultado das urnas e acusam de AUTORITARISMO o candidato mais votado na eleição de 2018.
O que surpreende mesmo é o motivo pelo qual, segundo os seus detratores, justificaria a tentativa de cassar o mandato de Bolsonaro.
Conforme a opinião expressada ao longo do dia por alguns políticos, jornalistas e juristas ligados a partidos políticos, o pedido de impeachment de Bolsonaro não seria por corrupção, enriquecimento ilícito, nem tráfico de influência ou pedaladas fiscais. A “acusação” se deve a declarações consideradas impróprias ou infelizes do atual ocupante do Palácio do Planalto.
Já o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) enfrenta mais um desgaste e corre o risco de perder o cargo de ministro da corte superior do Judiciário por causa de sua decisão monocrática (ou seja, decisão tomada sozinho), em pleno recesso de julho, de suspender o andamento de processos que envolvem dados compartilhados por órgãos de controle, como o Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras). Ao tomar a decisão, Toffoli favoreceu bandidos de colarinho branco.
“Tal decisão monocrática, além de contrariar a Constituição Federal e diversas leis, trouxe contrariedade ao que foi estabelecido pelo Plenário do STF”, diz o texto do pedido de impeachment do presidente do STF, assinado pela deputada estadual Janaina Pascoal (PSL-SP) e pelo presidente da Associação Nacional de Membros do Ministério Público Pró-Sociedade, procurador Renato Varalda, protocolado nesta terça-feira (30/07) no Senado Federal.
Aguardemos.

José Roberto Azambuja é jornalista.