Pelo menos 43 estabelecimentos foram inspecionados no mesmo período. Capital está na fase vermelha e apenas serviços essenciais podem funcionar. No bairro do Canindé, região central da capital paulista, polícia flagrou festa com pelo menos 170 pessoas na noite de sábado (6).

A Vigilância Sanitária do estado de São Paulo autuou, desde a noite de sexta-feira (5) até a madrugada deste domingo (7), sete locais devido a aglomerações e funcionamento em desacordo com as normas da fase vermelha. Pelo menos 43 estabelecimentos foram inspecionados no mesmo período.

(CORREÇÃO: a secretaria de Saúde do Estado de São Paulo errou ao informar que 97 estabelecimentos haviam sido inspecionados e que 43 deles foram autuados entre sexta-feira (5) e domingo (7). A informação foi corrigida às 19h39 do dia 7 de março).

Desde a manhã de sábado (6), a cidade de São Paulo está na fase vermelha do Plano São Paulo. Nesta fase, apenas o funcionamento de serviços essenciais é permitido. A restrição acontece em um momento de recorde de mortes e internados no estado de São Paulo.

As equipes da Vigilância Sanitária percorreram bairros em todas as regiões da cidade, como Itaim Bibi, Pinheiros, Vila Mariana, Paraíso, Moema, Morumbi, Penha, Jabaquara, Lapa, Jaçanã, Barra Funda, Vila Guilherme, Vila Formosa, Morumbi, Casa Verde, Canindé, Jardim Paulista, Campo Belo, Freguesia do Ó, Itaquera e Itaim Paulista.

No bairro do Canindé, região central da capital paulista, policiais civis do Departamento de Operações Policiais Estratégicas (Dope) flagraram uma festa com pelo menos 170 pessoas na noite de sábado (6). Todos foram levados para o Departamento de Polícia de Proteção à Cidadania (DPCC).

O organizador da festa foi detido e em seguida liberado. Os demais foram fichados pela polícia e liberados.

As equipes sanitárias estaduais realizaram 201.197 inspeções e 3.757 autuações entre 1º de julho e 28 de fevereiro por causa de aglomerações e da falta de uso de máscaras.

Festa clandestina reúne 170 pessoas na região central da capital paulista — Foto: Polícia Civil-Dope/Divulgação
Festa clandestina reúne 170 pessoas na região central da capital paulista — Foto: Polícia Civil-Dope/Divulgação

Força-tarefa

A Polícia Civil, a Polícia Militar, a Vigilância Sanitária, Ministério Público e o Procon-SP têm feito operações para garantir o respeito às medidas restritivas da fase vermelha. Em entrevista à GloboNews, o chefe de fiscalização do Procon, Carlos César Mareira, disse que desde a semana passada, de 400 estabelecimentos fiscalizados, 25% estavam abertos com atendimento ao cliente e aglomeração.

“Os promoters organizam a festa pela internet, locam um espaço e fazem ilegalmente esse tipo de reunião contrária às regras do plano São Paulo. Há uma organização de os jovens utilizarem pulseiras para o evento e depois pegam uma van para ir até o local do evento. Geralmente são jovens de 18 a 22 anos que ficam nesses locais sem usar máscara e sem utilização de protocolos de segurança como álcool em gel, o que contribui para a disseminação do vírus”, afirma.

O descumprimento das regras sujeita os estabelecimentos à autuações com base no Código Sanitário, que prevê multa de até R$ 290 mil.

Pela falta do uso de máscara, que é obrigatória, a multa é de R$ 5.278 por estabelecimento, por cada infrator. Transeuntes em espaços coletivos também podem ser multados em R$ 551 pelo não uso da proteção facial

Em nota, a Polícia Militar disse que realiza diferentes ações durante a fase vermelha do Plano São Paulo, como ocupação de espaços onde ocorrem festas clandestinas, apoio às Vigilâncias Sanitárias e agentes de fiscalização dos municípios. Para essas ações são empregados, em média, 4 mil policiais a mais por dia.

Além desse trabalho, a PM informou que as atividades de policiamento preventivo e ostensivo seguem sendo realizadas regularmente em todo o estado. Desde sexta-feira (5), a ação da PM resultou na apreensão de 2,7 toneladas de drogas, na prisão de 21 pessoas, na recuperação de 327 veículos roubados ou furtados, em 59 autuações por dirigir sob efeito de álcool ou recusa ao teste do etilômetro, entre outras. Mais de 26 mil pessoas foram abordadas e 48,7 mil veículos vistoriados neste período.

Festa clandestina reúne 170 pessoas na região central da capital paulista — Foto: Polícia Civil/Dope/Divulgação
Festa clandestina reúne 170 pessoas na região central da capital paulista — Foto: Polícia Civil/Dope/Divulgação

Festas reúnem centenas

Os casos se repetem. Na madrugada de sexta-feira (5) para sábado (6) ao menos três outras festas clandestinas reuniram centenas de pessoas na Grande São Paulo.

Na Zona Leste da capital, a polícia prendeu cerca de 200 pessoas e apreendeu drogas. O flagrante no bairro da Penha aconteceu após uma denúncia. Segundo o delegado, a festa estava programada para receber 1.500 pessoas. A ocorrência aconteceu na Avenida Amador Bueno da Veiga, 4879.https://tpc.googlesyndication.com/safeframe/1-0-37/html/container.html

De acordo com a Vigilância Sanitária Estadual, ao menos 43 estabelecimentos foram autuados e fechados entre a noite de sexta-feira (5) e a madrugada de sábado (6) na cidade de São Paulo por descumprimento das novas normas de circulação definidas pelo governo do estado.

A Vigilância Sanitária Estadual informa que, além das blitze, as fiscalizações podem acontecer através de denúncias pelo telefone 0800 771 3541 ou pelo e-mail [email protected]

Fase Vermelha em SP

Todo o estado de São Paulo entrou neste sábado (6) na fase vermelha do plano São Paulo para conter o avanço do número de casos e mortes provocadas pelo coronavírus.

Festas e aglomerações estão proibidas e se tornaram a principal preocupação da Vigilância Sanitária para conter o avanço da Covid-19. No final de fevereiro, o órgão interditou um bar na Zona Norte da capital depois de três autuações em menos de dois meses no mesmo local.

A fase vermelha autoriza apenas o funcionamento de setores da saúde, transporte, imprensa, estabelecimentos como padarias, mercados e farmácias, além de escolas e atividades religiosas, que foram incluídas na lista de serviços essenciais por meio de decretos estaduais. Parques, academias, bares, museus e cinemas, por exemplo, deverão permanecer fechados.

O governador João Doria (PSDB) anunciou que a fase restritiva da quarentena deve permanecer até o dia 19 de março.

Fonte: G1