As obras deveriam ter se estendido por apenas um ano: de 30 de abril de 20115 até 23 de abril de 2016. Mas, pouco tempo depois de iniciada, a construção da Unidade de Pronto Atendimento de Vila Mariana foi interrompida e até agora o canteiro de obras está abandonado, com mato alto, ferragens, entulho e uma estrutura de concreto que apenas indica o que seria o posto de saúde de Vila Mariana.

Mas, agora a Prefeitura garante que as obras serão retomadas. De fato, em maio o Diário Oficial do Município trouxe publicação de contrato com empresa para desenvolvimento do projeto executivo para a nova unidade.

Procurada, a Secretaria de Infraestrutura Urbana (Siurb) informou que o projeto executivo da UPA foi concluído em junho e agora está em fase de elaboração de orçamento.
Também em junho, a Prefeitura já havia informado que obteve financiamento de US$ 100 milhões de dólares junto ao o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). O financiamento vai possibilitar a construção de 14 novas UPAs, 22 Unidades Básicas de Saúde (UBS) e a reforma de diversos equipamento (veja também matéria ao lado).

A Secretaria Municipal de Saúde ainda informou que desde 2017 foram retomadas diversas obras deixadas em esqueleto pela gestão anterior retomou, a partir de 2017, diversas obras deixadas pela gestão anterior, como as Unidades Básicas de Saúde (UBS) Jova Rural e Cidade Nova São Miguel, que já foi entregue, das Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) Tito Lopes, Júlio Tupy, Pirituba, Perus, Ermelino Matarazzo e São Luiz Gonzaga e do Hospital Municipal da Brasilândia.

A UPA Vila Mariana está entre as obras paralisadas que foram incluídas no projeto Avança Saúde São Paulo.
Em entrevista coletiva essa semana, o secretário municipal de Saúde, Edson Aparecido garantiu que a Vila Mariana está no lote de obras que terá início nesse segundo semestre e deve ser concluída em meados do próximo ano.

Outras obras

Além da UPA Vila Mariana, haverá reforma do Pronto Socorro do Hospital Municipal Dr. Arthur Ribeiro Saboya, do Jabaquara, e implantação de uma nova UPA no próprio hospital.
Só a reforma do Saboya custará R$ 60 milhões.

Também haverá novas UPAs em Cidade Ademar e Sacomã.
As UBS Santa Cruz e Bosque da Saúde serão reformadas.

Outra obra considerada importante pela Prefeitura é a reforma do Hospital do Servidor Público Municipal. “Vamos implantar uma UPA no local, mas com entrada independente, atendimento separado. O HSPM voltará a ser um hospital para atendimento exclusivo ao servidor”, disse Edson Aparecido.

O projeto de reestruturação e qualificação das redes assistenciais de saúde da cidade de São Paulo levou o nome de “Avança Saúde São Paulo.”

No total, estão previstas cerca de 150 obras distribuídas por toda cidade. Além de novas construções, parte dos recursos serão investidos para a aquisição de equipamentos de média e alta complexidade para a área da saúde, como tomógrafos e aparelhos de ressonância magnética. O investimento total no programa Avança Saúde será de US$ 200 milhões (cerca de R$ 800 milhões) nos próximos cinco anos.