Mesclando saberes ancestrais e novas tecnologias, as periferias produzem conhecimento a serviço do bem comum. E a Periferia em Movimento destaca algumas dessas ações que acontecem em breve.

Já neste domingo (13/10), a Cia Teatral Enchendo Laje & Soltando Pipa promove uma roda de conversa sobre o “Teatro nos espaços não convencionais”. Para trocar essa ideia, convidam a Trupe Sinhá Zózima, que desde 2007 pesquisa o ônibus urbano como espaço cênico, espaço de descentralização e democratização do acesso às artes; e o Coletivo Estopô Balaio (foto de capa), que também realiza pesquisas sobre a cidade, do trem às áreas de enchente do Jardim Romano.

A partir das 16h, no Espaço Lajêro, que fica na rua Viela Onze, 03 (altura da avenida Belmira Marin, 5585) – Jardim Shangrilá, Extremo Sul de São Paulo. Saiba mais aqui.

Já na quarta-feira (16/10), a Periferia em Movimento e o Salve Selva abordam quem conta nossa história na vivência “Muros e Redes: Construção de narrativas periféricas”, que faz parte da programação da UniGraja – Universidade Livre Grajaú. Dos graffitis e pixações nos muros da cidade ao jornalismo de quebrada nas redes virtuais, as periferias revisam, escrevem e marcam presença na História – a partir das margens.

A partir das 13h30, os coletivos falam de suas experiências no universo do graffiti, das artes e do jornalismo de quebrada; seguem em percurso pelo bairro; e retornam com uma intervenção envolvendo muros e redes. Às 18h30, rola uma roda de conversa sobre o tema com o fotógrafo e educador André Bueno; e o jornalista e educomunicador popular Ronaldo Matos, do coletivo Desenrola e Não Me Enrola.

O encontro acontece na Casa da Periferia em Movimento, que fica na rua Ezequiel Lopes Cardoso, 271, no Grajaú.